O prefeito da cidade do Rio de Janeiro e candidato a reeleição, Marcelo Crivella (Republicanos), deu entrevista à CNN Brasil na última terça-feira (17).

Na entrevista, o candidato aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aproveitou o espaço para atacar institutos de pesquisa e a Rede Globo.

A jornalista Monalisa Perrone, âncora da atração, repreendeu o sobrinho do bispo Edir Macedo. Sem apresentar provas, Crivella afirmou que há manipulação das pesquisas eleitorais.

Paixões

Perguntado sobre uma pesquisa do Ibope que mostrou que os cidadãos do Rio de Janeiro têm uma má avaliação da rede municipal de saúde, o prefeito afirmou que as pesquisas do Ibope "são movidas por paixões".

Ele assegurou ainda que as pesquisas do instituto obtiveram "100% de erro" em relação ao seu governo.

Rede Globo

Crivella atacou diversas vezes a emissora da família Marinho, o que levou Monalisa Perrone a chamar a atenção do candidato depois da pergunta sobre saúde pública.

A jornalista lembrou a Marcelo Crivella que aquele era um momento propositivo, desta maneira, quaisquer tipos de ataques às pessoas e instituições não são bem-vindos.

Ela ressaltou ainda que aquele era um momento e espaço importante para as pessoas conhecerem as propostas de Crivella, disse a jornalista.

Marcelo Crivella não apresentou nenhuma evidência de suas acusações. Ele assegurou que a pesquisa não foi realizada com usuários da rede pública de saúde e sim com cidadãos que se informavam sobre o tema pela televisão.

Crivella disse que as pesquisas foram feitas com quem assiste a "Globolixo", ao se referir à Rede Globo.

O atual prefeito do Rio de Janeiro explicou que não foi ele quem criou o apelido pejorativo para a emissora, que este termo estaria consagrado pelos cariocas.

Ele argumentou que a Globo vai para a porta de hospitais e usa um caso que é uma exceção e tenta transformar em regra com o intuito de fazer de refém o governo.

Crivella repetiu diversas vezes o termo ofensivo.

Crivella também se queixou das pesquisas do Ibope. Segundo ele, o Instituto teve o incrível resultado de 100% de erro sobre seu desempenho no 1° turno.

Mas Crivella não disse que na verdade o Ibope divulgou pesquisa que mostrava um crescimento do bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus na reta final de sua campanha.

Na última pesquisa do primeiro turno, que foi divulgada no dia 14 de novembro, um dia antes da eleição, o Instituto apontou que Crivella estaria com 18% dos votos válidos. O prefeito terminou a eleição com 21,9% dos votos válidos, o que na prática quer dizer que o resultado final está apenas 0,9% acima do percentual da margem de erro que foi previsto pelo Ibope.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Eleições
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!