A dançarina Carla Prata, que já integrou o balé do "Domingão do Faustão", da Rede Globo, passou por um momento desesperador. Há cerca de dois anos, após sofrer uma paralisia facial, a bailarina foi encaminhada ao médico e acabou sendo diagnosticada com uma doença rara, a miastenia gravis, que atinge seus músculos do rosto.

Durante uma entrevista concedida ao site Notícias da TV, Prata relatou que ao receber o diagnóstico pensou que morreria a qualquer momento.

"Na época, eu achava que iria morrer em dez minutos. Achava que ia passar mal a qualquer momento, parar de respirar do nada e morrer", disse.

Entre os principais sintomas da doença de Carla estão a fraqueza muscular, a dificuldade para mastigar e engolir e também a queda das pálpebras.

Apenas um ano antes de ser diagnosticada com tal doença, Carla havia passado por uma cirurgia no coração, cujo objetivo era a retirada de um tumor de 20 centímetros no timo, glândula localizada atrás do osso do peito.

Um ano depois, a paralisia que levou ao diagnóstico da miastenia aconteceu.

De acordo com Carla, após um oftalmologista perceber a sua condição, ela foi encaminhada a um neurologista, de modo que alguns exames mais conclusivos pudessem ser realizados. Com os resultados em mãos, foi possível descobrir, partindo das características da bailarina e de seu histórico, a doença em questão. Atualmente, entretanto, a miastenia gravis se encontra sob controle, e Prata precisa apenas tomar remédios para manter a condição dessa maneira.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Famosos

Difícil de ser diagnosticada

A doença de Carla Prata é bastante difícil de ser diagnosticada por se manifestar de maneiras diferenciadas em cada pessoa.

Segundo Carla, as pessoas diagnosticadas com a doença costumam se sentir em pânico devido à falta de informações a respeito do assunto. Essa falta de informação faz com que a gravidade da condição seja amplificada e, dessa forma, pensamentos negativos dominem a cabeça de quem recebe o diagnóstico.

De acordo com a dançarina, ter fé em Deus é uma boa maneira de lidar com a doença, e foi exatamente o meio que ela encontrou para conseguir superar o pânico inicial. Nesse sentido, ela também afirma que alguns dias são piores do que os outros, mas que é necessário aprender a lidar com os problemas.

Ainda a respeito de sua condição, a dançarina afirmou que a miastenia se apresenta de forma leve em sua vida.

Entretanto, a doença pode vir a surpreender, uma vez que algumas pessoas passam anos sem a manifestação de sintomas mais pesados e, eventualmente, a doença ataca de maneira implacável. Outras pessoas, por sua vez, estão constantemente hospitalizadas devido às crises geradas pela miastenia gravis.

Essa diferença de comportamento da doença, de acordo com a dançarina, é a maior dificuldade no seu controle e tratamento.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo