Nesta semana, a empresa BBOM divulgou que retornaria ao mercado novamente, oferecendo produtos em forma de franquia aos consumidores.

A BBOM chegou ao mercado oferecendo a venda de rastreadores via satélite por meio de pacotes que o associado precisava adquirir. Com valores de R$ 600,00, R$ 1.800,00 e R$ 3.000,00, o investidor obtinha retornos financeiros sobre os rendimentos dos produtos e também sobre as novas pessoas que ele captava para entrar em sua rede, garantindo comissões e prêmios como carros de luxo, viagens, relógios e canetas valiosas.

Em 2014, a #Justiça Federal suspendeu as atividades da empresa, denunciando seus diretores por formação de pirâmide financeira e outros crimes contra a economia popular e sistema financeiro nacional.

Publicidade
Publicidade

Desde então, a empresa estava proibida de receber novos cadastros e também de movimentar recursos financeiros.  

Entre fevereiro a agosto de 2013, indicaram as autoridades, cerca de 1 milhão de pessoas ingressaram no sistema, gerando quase 2 bilhões de reais em movimentação. Pessoas que compravam um dos três pacotes oferecidos, entravam como associados e acompanhavam seus rendimentos por meio de um sistema de escritório virtual, plataforma online que era alimentada conforme as indicações fossem concretizadas.

Após o bloqueio judicial das contas da empresa em 2014 e vários questionamentos de consumidores sobre não recebimento de valores e bônus, a empresa obteve uma liberação parcial de seus recursos. Em seu site oficial há um relógio com data e hora regressivas para o funcionamento do sistema de marketing multinível estar ativo novamente, marcado para 15 de setembro próximo.

Publicidade

De acordo com a declaração em vídeo divulgado nas redes sociais, o Presidente da BBOM, João Francisco dos Santos diz que o modelo de negócio da empresa será lançado com produtos de beleza, energéticos, café, máquinas vending machine, cursos on-line profissionalizante, Microsoft e equipamentos de Ozônio. Ele também diz que as pessoas que tiveram valores congelados serão ressarcidas, conforme determinar a Justiça Federal e o Ministério Público.

Suspeita de Pirâmide Financeira

Em julho de 2014, a Justiça Federal de Goiás bloqueou as contas da Embrasystem, empresa do grupo BBOM, por suspeita de pirâmide financeira e captação de poupança popular. Na época, a justiça congelou 300 milhões de reais e mais de 100 carros, sendo alguns de luxo. De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público, os bens foram bloqueados e apreendidos para garantir o ressarcimento aos consumidores.

Segundo denúncia da Procuradoria da República em São Paulo, estima-se que 1 milhão de pessoas tenham investido no sistema multinível da empresa, movimentando quase de 2 bilhões de reais.

Publicidade

Em Fevereiro de 2015, a BBOM conseguiu no Tribunal Superior Federal a retirada das acusações de que teria cometido crimes contra o Sistema Financeiro Nacional.

Nos EUA, a TelexFree, outra empresa acusada de pirâmide financeira, que vendia pacotes de telefonia Voip foi bloqueada e teve bens e valores apreendidos. Recentemente, alguns consumidores de Massachusetts começaram a receber da justiça americana parte do reembolso de valores que foram investidos na empresa, como forma de reparação. #Negócios #Investigação Criminal