O abalo ocorrido nessa última quarta-feira, 16, envolvendo um vazamento de áudio onde mostra conversas entre o ex-presidente #Lula e a atual Presidente da República, #Dilma Rousseff, motivou protestos em Brasília, nas redes sociais e nas ruas de várias cidades do Brasil. Nesses diálogos telefônicos vazados, a petista cita por algumas vezes uma pessoa, que ela chamou de ‘Bessias’. Ela dizia que: “Eu estou mandando o Bessias e só ‘use ele’ em caso de necessidade, tá? Você espere aí que eles está indo aí”, disse.

Esse ‘Bessias’, de acordo com o Portal MSN, teria um documento importante para entregar ao ex-presidente Lula, e, tal documentação seria muito útil para resolver um possível mandado de prisão.

Publicidade
Publicidade

‘Bessias’, na verdade, é o procurador da Fazenda, de nome Jorge Messias. Ele atualmente trabalha em um cargo importante na Casa Civil, pois é subchefe de assuntos jurídicos. E, de acordo com Dilma, Lula só poderia ‘utilizá-lo’ caso estivesse em uma situação extrema.

Nos áudios divulgados, Lula critica bastante a questão das constantes citações do nome dele na Operação Lava Jato. Inclusive, o maior nome do #PT afirma que Curitiba está parecendo uma nova República, pois o Juíz Sérgio Moro tem agido de forma incrível quando o cita e exige mais fiscalizações contra o ex-presidente.

Ainda em áudio, Lula diz: “Eles, na verdade, estão fazendo um espetáculo nacional somente com o intuito de comprometer as decisões da Suprema Corte.” Lula ainda comenta da questão de corrupção na política brasileira, que afeta importantes nomes, mas, não se vê a mídia tratando do assunto da mesma forma que estão tratando do nome dele, inclusive nas manifestações de rua e nas mídias.

Publicidade

“Se homem não tem ‘saco’ quem sabe uma mulher corajosa possa resolver." – continuou comentando Lula – "temos um presidente da Câmara p*, um presidente do Senado p*, não sei quantos parlamentares ameaçados [...]”, continuou dizendo o ex-presidente Lula, que, na última fala dos áudios vazados, diz que realmente está assustado com a ‘República de Curitiba’.