A tentativa de retirar a presidente #Dilma Rousseff do poder se perdurará enquanto Eduardo Cunha presidir a Câmara dos Deputados, em Brasília. Isso porque o governo reage positivamente à oposição, levando manifestações por dezenas de cidades do Brasil e do mundo.

Outro ponto que deve ser ponderado é a saída 'prematura' do PMDB do governo e  a articulação política realizada por Lula, que agora é conselheiro da presidente. Nas últimas manifestações, diversos artistas demonstraram apoio a Dilma Rousseff contra o 'golpe', como é chamado o movimento para retirada da presidente do poder, sem embasamento jurídico, como defendem os manifestantes e apoiadores do governo.

Publicidade
Publicidade

Cunha pedirá novo processo de impeachment

Ao que parece, mesmo a presidente ficando livre do pedido de #Impeachment que deve ser votado nos próximos dias, Eduardo Cunha planeja apresentar um novo pedido, caso o primeiro não tenha resultado. Segundo informações divulgadas pela Gazeta do Povo, essa será a manobra do presidente da Câmara. O fato mais curioso é que Eduardo Cunha deve acatar o pedido realizado pela OAB, Ordem dos Advogados Brasileiros. Na semana passada, o órgão registrou um pedido de impeachment e Cunha assinalou o pedido como 'tardio', ironizando a instituição, e disse que não representava nada para a câmara, em desdenho ao processo protocolado pela OAB.

Parece que, rapidamente, o parlamentar mudou de ideia, imaginando que o pedido de impeachment não passará da Câmara dos Deputados.

Publicidade

A maior preocupação da base de oposição ao governo é a falta de número de deputados suficientes para o impeachment ser votado. Caso não possuam os votos suficientes dos parlamentares, o pedido será arquivado.

PMDB parece indeciso em suas ações no governo

O PMDB está dividido e muitos parlamentares ainda não abandonaram os seus cargos no governo da presidente Dilma Rousseff. A saída do partido do governo, anunciada recentemente, fora criticada por muitos parlamentares filiados ao partido, sendo que alguns deles pediram desfiliação e mudança para outras siglas, como a Ministra da Agricultura, Kátia Abreu.

O governo agora negocia com os parlamentares os votos no processo de impeachment. O ex-presidente Lula entra em cena e espera barrar o impeachment da primeira mulher eleita como presidente do Brasil. 

O cenário político brasileiro passa por um momento em que o desfecho de cada dia resulta em desdobramentos que recompõem a base governista e modificam a base de oposição. Como um tabuleiro de xadrez, e nas ruas, de forma polarizada, cada um monta o seu time, não importando o vencedor. Certo é que o Brasil sairá perdendo após essa crise política, fomentada por poderes institucionais que mostram ao que vieram, descontentes com um governo de esquerda e social que perdura há catorze anos. #Manifestação