A terceira idade é muito mais do que a quantidade de anos que uma pessoa alcança em sua vida. Apesar da OMS estimar os 60 anos como a porta de entrada para a vida idosa, a própria afirma que não existe nenhum marcador cronológico no corpo humano em que a velhice vai se instaurar a partir dessa idade. Sendo cada metabolismo diferente entre as pessoas, podendo haver variações quanto às mudanças que marcam o envelhecimento.

Gerontologia

O estudo sobre o processo de envelhecimento se chama gerontologia. Esse campo de pesquisa busca investigar as experiências da velhice em todos os seus aspectos, desde biológicos, psicológicos ou sociais. O gerontólogo atua tanto na prevenção, ambientação, reabilitação e cuidados paliativos.

O campo da gerontologia é bastante amplo, tendo em vista que pretende entender o processo de envelhecimento em seus diversos aspectos.

Geriatria

A geriatria já é um campo de estudo mais específico. Ela busca avançar nas pesquisas e cuidados, com prevenção e tratamento das doenças na terceira idade. Esse campo trabalha com as especificidades dos idosos no que diz respeito às enfermidades que podem chegar a atingir com maior facilidade uma pessoa de idade mais avançada.

A medicina geriátrica tem como principal objetivo oferecer as pessoas da terceira idade uma maior longevidade com proporcional qualidade de vida. A geriatria é um ramo menor do campo multidisciplinar que é a gerontologia.

Direitos da terceira idade

As bases legais dos direitos das pessoas na terceira idade estão formatadas no Estatuto do Idoso. Esse documento tramitou no Congresso Nacional por sete anos, sendo aprovado e promulgado apenas em 2003. O Brasil segue as classificações da Organização Mundial da Saúde e proclama os 60 anos como o início da vida idosa.

O Estatuto do Idoso abrange diversos temas: saúde, transporte público, violência e abandono, lazer, cultura e esporte, trabalho e habitação. Um dos principais problemas que assolam essa parcela da população é a falta de conhecimento dos próprios direitos. Apesar de estar prestes a completar 12 anos da sanção presidencial, poucos são os idosos que dominam o conteúdo do Estatuto.