Começou nesta segunda-feira (18), na 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, a audiência de instrução do processo sobre a morte do jogador Daniel Correa Freitas, assassinado no final de outubro passado depois de participar de uma festa na casa da família Brittes.

As oitivas devem terminar apenas na quarta-feira (20). Nesta terça, segundo dia de audiência, deve acontecer o encontro entre a mãe de Daniel, Eliana Correa, e os réus.

A mãe do jogador viajou de Conselheiro Lafaiete, em Minas Gerais, onde mora com a irmã, para participar da audiência em São José dos Pinhas, Região Metropolitana de Curitiba, capital do Paraná.

Ao chegar para o primeiro dia da audiência, nesta segunda, ela afirmou que está se preparando para este momento há meses e, inclusive, fez terapia para isso. Desde que o filho morreu assassinado, ela não retornou para sua casa e mora com a irmã.

Além disso, não assiste mais televisão e não quer saber de futebol.

Eliana garante que quer olhar nos olhos dos réus e perguntar sobre o que aconteceu no dia em que seu filho foi morto com requintes de crueldade. Daniel foi parcialmente degolado e teve o órgão genital arrancado.

Ela afirmou ainda que tem pena das pessoas que mataram seu filho. "Que vida eles vão ter?", perguntou Eliana, na entrevista que concedeu à imprensa quando chegava à 1ª Vara Criminal.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Ela também afirmou que a sociedade discrimina quem comete crimes e que, por isso, eles não terão mais vida. Quatro familiares do jogador devem ser ouvidos como informantes no processo.

Primeiro dia de audiência

Sete pessoas são rés no processo envolvendo a morte de Daniel Correa. Edison Luiz Brittes Júnior é réu confesso. Ele afirmou ter matado o jogador e, a princípo, argumentava que o atleta teria tentado abusar de sua esposa, que dormia no quarto da casa.

Os outros seis réus são: Cristiana Rodrigues Brittes, esposa de Edison, Allana Emilly Brittes, filha do casal, além de Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, Ygor King, David Willian Vollero Silva e Evellyn Brisola Perusso. De todos eles, a única que não está presa é Evellyn Perusso, amiga de Allana.

Ao todo, mais de 90 testemunhas foram selecionadas para depor. Neste primeiro dia de audiência, três testemunhas sigilosas depuseram.

Os réus não acompanharam o depoimento e ficaram em uma sala ao lado, apenas ouvindo o que era dito.

As duas primeiras testemunhas depuseram por cerca de duas horas. A última usou cerca de uma hora para prestar o seu depoimento. Outras duas testemunhas sigilosas ainda serão ouvidas. As cinco estavam na casa da família Brittes no momento do crime.

O segundo dia de audiência começa às 9h desta terça-feira.

Sete testemunhas, além dos quatro familiares de Daniel Correa, devem ser ouvidos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo