Um homem é suspeito de ter arremessado um cachorro da janela do segundo andar de um prédio em Ceilândia, no Distrito Federal. O relato foi feito por moradores do bairro, que fica há cerca de 25 quilômetros do Plano Piloto. O caso aconteceu na última terça-feira (5) e revoltou quem presenciou a cena.

Segundo informações do site Metrópoles, vizinhos socorreram o animal e registraram a cena momentos após a queda, que deixou o cachorro com as patas dianteiras quebradas.

Nos vídeos que foram divulgados na internet, é possível ver que o cão é muito dócil, mas não se movimenta, possivelmente por conta das patas machucadas. Também é possível ver sangue próximo ao animal. O cãozinho foi apelidado de Olavo pelas pessoas que ajudaram no resgate. Além das duas patas dianteiras quebradas, o cão também perdeu alguns dentes.

Polícia aponta suspeito do crime

Ainda segundo o Metrópoles, o Batalhão de Policiamento Ambiental do DF (BPMA) só teve conhecimento do fato depois que vídeos do caso ganharam repercussão nas redes sociais.

Segundo o major José Souza Júnior, após o conhecimento dos fatos, uma equipe do batalhão esteve no local nesta quarta-feira (6) e conseguiu identificar o suspeito de ser o autor do crime. O major confirmou que o homem foi interrogado, que tem 46 anos e que trabalha na Paróquia Nossa Senhora da Assunção, que fica bem próxima ao prédio onde o crime teria acontecido. Ele estaria em cumprimento de pena alternativa por outros delitos, anteriores ao fato.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Entretanto, o oficial do BPMA não deu detalhes sobre os crimes anteriores cometidos pelo homem e nem mesmo divulgou seu nome.

Souza Júnior disse ainda ao Metrópoles que o suspeito não assumiu a autoria do crime e que afirmou que o animal "escorregou sozinho". A versão foi contestada por vizinhos, que afirmam ter testemunhado o momento em que o homem jogou o animal da janela.

A vizinha Stephanie Oliveira foi responsável pelas imagens que viralizaram na internet e se revoltou ao falar do caso, que chamou de "absurdo".

O suspeito foi conduzido à delegacia onde assinou um Termo Circunstanciado e foi liberado. O caso segue para o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo