Os estudantes e funcionários da Escola Estadual Raul Brasil retornaram à escola que foi alvo do ataque da última quarta-feira (13). Ao chegarem ao local eles foram recebidos com abraços e flores. Os alunos voltaram a escola para recolher o material deixado para trás em meio a correria ao tentarem fugir dos atiradores. A escola irá reabrir a partir de terça-feira (19), onde serão realizadas atividades para acolher os alunos, quando terão psicólogos a dispor da comunidade escolar. Quanto à data de volta às aulas, ainda não existe uma data definida.

A estudante Maria Eduarda Levino, de 14 anos, retornou à escola nessa segunda-feira, dia 18, para buscar sua mochila que estava guardada na sala da diretoria. Ela relembra do ocorrido e pontua que a sensação de voltar ao local onde ocorreu a tragédia é estranha. Relata ainda que estava na cantina quando ouviu os primeiros disparos, com tempo apenas de olhar para trás e correr em direção à cozinha. A aluna ainda comentou que, ao receber a flor, sentiu-se muito acolhida.

Outra estudante, Danielle Letícia de Oliveira, de 15 anos, também esteve na escola para retirar o material escolar deixado para trás.

Ela conta que, na hora do massacre, se escondeu na cozinha. A aluna ainda não sabe se irá permanecer na escola.

O jovem estudante Vinicius Santos Moura também retornou à escola, sendo um dos poucos a usar o uniforme, e disse ser em respeito às vítimas. Ele tem a intenção de continuar a estudar na escola Raul Brasil.

Coordenadora-geral dos programas de Cidadania do Estado de São Paulo fez declaração

Eliana Passareli, coordenadora-geral dos programas de cidadania do Estado de São Paulo, garante que tem como propósito atender todas as pessoas que forem à escola nesta segunda e necessitarem de acolhimento.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia Escola

A psicóloga Luciane Inocêncio afirma que será feito um trabalho com o trauma sofrido pelos alunos, professores e funcionários da escola. Ela pretende trabalhar a longo prazo com suporte a vítimas e seus familiares.

A psicóloga afirma que os alunos já demonstraram interesse em voltar às aulas, mesmo que a ideia inicial agora seja definir como será o calendário de volta, e realizar primeiro atividades onde eles irão ter um acolhimento psicológico sem nenhum tipo de atividade pedagógica em principio, somente para que eles se reencontrem, conversarem e ficarem juntos nesse momento inicial.

Logo em seguida a ideia é dar reinício ao calendário letivo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo