Um terceiro acusado de envolvimento no ataque da Escola Estadual Professor Raul Brasil foi apreendido pela Polícia. Ele é suspeito de ter participado de todo planejamento para o ataque à escola em Suzano, na Grande SP. Ele teria sido apreendido por ordem judicial e dirigido à Fundação Casa, que não teve sua unidade divulgada por questões de segurança. A quebra de sigilo do telefone celular do menor foi autorizada pela Justiça para questão de análise de dados e mensagens enviadas pelo acusado.

Publicidade
Publicidade

Jovem teria enviado mensagens a um amigo

Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, ele teria enviado mensagens a um amigo, onde relata que o plano teve seu início quando eles ainda estavam no primeiro ano do ensino médio, e completa dizendo que era para ele estar presente no momento do ataque. O amigo, por sua vez, questiona se ele teria algo a ver com o ataque, mas, no entanto, o jovem nega.

Publicidade

Afirma, porém, que eles tiveram várias conversas sobre o assunto e que o ataque poderia ter sido baseado nisso.

Uma professora do adolescente teria contado à polícia que há alguns dias, durante uma dinâmica sobre a projeção do futuro, ele teria respondido a ela, com desdém e de forma distante, que teria o desejo de entrar em uma escola e, armado, abrir fogo de forma indiscriminada contra as pessoas presentes.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Ela relata ter ficado perplexa com o modo que o aluno contou seu desejo e que ele ainda foi questionado a respeito de arrependimento, tendo respondido que não teria, que seria um prazer presenciar o acontecimento.

Mesmo com a quebra de sigilo do telefone do jovem para acesso às mensagens, a Polícia Civil e o Ministério Publico ainda analisam e suspeitam de um possível envolvimento de usuários de fóruns clandestinos no ataque.

Em depoimento à polícia, o jovem relatou que, em 2015, ele e seus amigos teriam tomado consciência da existência do caso do massacre em Columbine e que eles apresentavam um grande interesse nessa tragédia em particular e imaginavam um possível massacre na escola Raul Brasil. Ele ainda conta as imaginações macabras que tinha, desde a confecção de uma bomba falsa à ataques de machado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo