O jovem Felipe da Silva Carvalho, de 19 anos, está sendo observado com atenção pelos seus familiares após voltar de uma missão do Exército com uma alteração no seu comportamento. A família tenta entender o que aconteceu com o rapaz, que esteve por alguns dias sob os cuidados do Exército Brasileiro.

Conforme as informações divulgadas pelo portal G1, Felipe se alistou no começo deste mês e, em dez dias, já foi designado para uma missão. Entretanto, retornou com um surto psicótico. No momento, ele não fala, não anda e nem responde a estímulos, causando grande preocupação aos familiares.

Publicidade

O pai de Felipe, Gilson Rocha, decidiu fazer um boletim de ocorrência e quer que o 7º Batalhão de Engenharia de Construção (7º BEC), que fica em Rio Branco, no Acre, explique a razão do seu filho voltar com saúde debilitada dessa missão. Felipe não tinha nenhum problema e, em uma foto tirada momentos antes dele ir para a missão, o rapaz estava contente e saudável.

Flávio do Prado, comandante do 7º BEC, lançou uma nota de explicação ao portal G1, afirmando que Felipe entrou no Exército no dia 1º de março de 2019 e, com poucos dias, seus companheiros notaram que ele estava aparentando um comportamento estranho. Conforme a nota, Felipe foi encaminhado para atendimento médico no Batalhão e depois encaminhado a um hospital especializado.

Desespero da família

Segundo as informações de sua família, o jovem foi participar da missão na quarta-feira de cinzas (06 de março). No dia 10, a mãe dele foi visitá-lo e ele estava normal. Ela não detectou nenhum problema quanto a sua saúde. Na sexta (15), a família foi surpreendida por um tenente do Batalhão dizendo que o rapaz não tinha condições de se integrar ao Exército, pois não estava apto para o exercício militar.

O pai disse que o filho voltou totalmente diferente: "parece uma criança". O pai comentou que Felipe está travado, em um estado péssimo de saúde. Gilson Rocha disse que o 7º BEC entregou seu filho com uma saúde lastimável.

Publicidade

Surto

De acordo com Rocha, os médicos ainda não sabem dizer o que realmente aconteceu com o rapaz. Eles suspeitam de um quadro de esquizofrenia. O jovem está sendo analisado também por um psiquiatra, que pediu um tempo para dar um resultado mais consistente do que teria acontecido com ele.

Conforme as informações, o soldado passou pelo Hospital de Saúde Mental do Acre apresentando, segundo a direção do hospital, um quadro de surto psicótico. Rocha criticou a forma como o Exército entregou seu filho e um suposto desrespeito por parte dos responsáveis do Batalhão com a vida do jovem.

O Exército afirmou que abriu sindicância para apurar o que aconteceu. O pai fala em ato desumano contra seu filho.