Suspeito de sequestro, abuso sexual e tentativa de homicídio, o PM Kleber Otávio de Oliveira, de 23 anos, estava sob cuidados médicos após ser baleado por sua ex-namorada no último dia 1° de fevereiro, em São Manuel, no interior de São Paulo. Após receber alta, Kleber foi escoltado para o Presídio Militar Romão Gomes, na zona norte de São Paulo.

Os depoimentos prestados às autoridades dizem que o policial foi até a casa da ex por não aceitar o fim do namoro. Chegando lá, ele teria agredido o padrasto da vítima e levado-a para uma área afastada da cidade, onde, segundo as informações, ela foi agredida e violentada.

Durante a agressão, ela usou um momento de desatenção para pegar a arma dele e atirar duas vezes contra o policial, acertando-o na região abdominal.

Provocações e ameaças

A jovem de 22 anos, que reagiu às agressões, contou sobre o medo sofrido após as inúmeras ameaças de Kleber, com quem tem uma filha de 2 anos de idade.

A vítima disse em depoimento que o policial chegou inesperadamente em sua residência, jogou-a para fora de casa e batia nela com o revólver na mão. Ela contou que foi jogada no banco do carro sob ameaças de que se ela não entrasse, ele mataria sua família. Depois disso, ele saiu acelerando o carro e agredia a jovem a todo momento. Ela ainda disse que, naquele momento, sabia que iria morrer.

Ela contou que o policial a levou no meio da mata e ordenou que ela tirasse a roupa, enquanto passava sua pistola pelo corpo da jovem.

No momento que abusava da Mulher, o agressor começou a estrangular a vítima e assim que teve a oportunidade de pegar o revólver, a jovem atirou repentinamente contra o policial.

A vítima ainda revelou que não dorme mais, devido à insônia causada pela série de ameaças feitas pelo agressor. Dentre elas, estaria a de assassinar a própria filha do casal.

Ela ainda disse que todos os dias acorda só de ouvir o som de carros, pois tem medo do policial ir matar a menina.

Segundo a delegada responsável pelo caso, o policial foi preso em flagrante por sequestro, abuso sexual e tentativa de homicídio. A delegada ainda espera o parecer dos médicos para dar continuidade à investigação e ouvir a versão do policial.

Casos de estupro e sequestro são cada vez mais frequentes em nosso país. Só no estado de São Paulo, o número de casos em 2018 sofreu uma alta de 7,76% em relação ao ano de 2017, 11.950 boletins de ocorrência registrados, o equivalente a 32 casos por dia, o maior número desde 2013.

Siga a página Relacionamento
Seguir
Siga a página Mulher
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!