Nessa quinta-feira (28) um recém-nascido foi encontrado aos prantos e enrolado em uma coberta no estacionamento de um posto de Saúde no bairro Nova Bahia, na cidade de Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul.

O bebê foi encontrado por um técnico de enfermagem que passava no local. Na ocasião, o profissional se deslocou até seu carro no estacionamento do Centro Regional da Saúde para buscar pertences pessoais. Naquele momento, ouviu o choro de uma criança.

O técnico de enfermagem encontrou um bebê do sexo masculino enrolado em uma coberta e aparentemente o cordão umbilical da criança foi cortado de forma improvisada.

O corpo do bebê ainda estava coberto com sangue.

A conselheira tutelar Miriam Falcão afirmou que o bebê foi hospitalizado e passou por atendimento médico. O recém-nascido vai ficar sob acolhimento institucional enquanto estiver hospitalizado, sob medida de proteção.

Junto com a criança a Polícia Militar encontrou um fio de cabelo comprido. O material encontrado e a coberta que enrolava o bebê foram encaminhados para a perícia da Polícia Civil. O crime de abandono foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da região.

Projeto acolhe mães e evita abandono de bebês no MS

O projeto denominado "Dar a Luz" foi desenvolvido pelo poder Judiciário do estado de Mato Grosso do Sul e tem como objetivo atender e orientar mães que não desejam ou não têm condições de criar uma criança.

No ano passado o projeto atendeu um total de 20 mulheres da capital sul mato grossense, Campo Grande. No primeiro trimestre deste ano a organização já atendeu 4 mulheres. O objetivo é continuar promovendo o atendimento de mulheres que desejam entregar seus filhos para adoção

De acordo com Ioara de Moura, assistente social núcleo de adoções, as mães são assistidas por uma equipe de profissionais qualificados.

Todo o processo é acompanhado por assistentes sociais, psicólogos e pedagogos do núcleo de adoção da vara da infância.

A partir do trabalho de acolhimento e orientação, a mulher assistida pelo projeto se torna apta a tomar uma decisão. As decisões levam a desdobramentos judiciais que contam inclusive com uma audiência. Se mesmo depois do atendimento do projeto a genitora atesta em audiência o desejo de entregar o filho,o desejo é respeitado.

Vale ressaltar que no Brasil, abandonar uma criança é passível de crime e pode ser punido em até três anos de prisão. No entanto, quem entrega a criança para adoção por meios legais não está sujeito a pena.

Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Siga a página Maternidade
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!