Na manhã desta terça-feira (19), a Polícia apreendeu o menor que é suspeito de ajudar no planejamento do massacre da Escola Raul Brasil, que aconteceu na manhã da última quarta-feira (13), na cidade de Suzano, grande São Paulo, onde dez pessoas acabaram mortas.

O jovem de 17 anos foi apreendido em sua residência e foi levado ao Instituto Médico Legal (IML), onde foi submetido imediatamente a um exame de corpo de delito para, em seguida, ser encaminhado ao Fórum da cidade.

Publicidade
Publicidade

Por se tratar de um menor de idade, o rapaz foi acompanhado pelos pais e também pelo advogado Marcelo Feller. O Tribunal de Justiça (TJ) informou que o menor será mantido em internação provisória por 45 dias na Fundação Casa. Não se sabe qual unidade ele ficará internado, isso não foi divulgado pela polícia. O adolescente deixou o fórum por volta de 12h50 no carro da Polícia Civil.

A Fundação Casa afirmou que a internação provisória do adolescente, envolvido no caso do massacre da escola de Suzano, foi uma solicitação feita pela juíza da cidade, e a vaga para o suspeito foi liberada imediatamente pela instituição.

Publicidade

O pedido de internação ocorreu por volta de 11h40 da manhã dessa terça-feira.

É importante esclarecer que, se terminar o prazo de 45 dias e não houver uma sentença judicial a favor da internação definitiva do adolescente, o caso muda de figura, pois, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), determina que, se passando do prazo provisório sem uma sentença definitiva, o menor deve ser liberado.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Caso seja determinada a internação definitiva do jovem, ele poderá ficar no máximo três anos internado, pois esse é o prazo máximo estabelecido.

As novas evidências mostram o envolvimento do menor no massacre. Inicialmente, na quinta-feira (14), o jovem apresentou-se à justiça, mas negou qualquer participação no massacre e logo foi liberado. Contudo, a polícia teve acesso aos celulares dos suspeitos durante a investigação, então, após a análise dos celulares dos envolvidos, ficou claro que todos os três planejaram as mortes.

Foi apresentado nessa segunda-feira (18) um relatório da polícia ao Ministério Público com resultados de buscas feitas na casa do menor suspeito de planejar o massacre em Suzano. A Polícia Civil também apresentou à Justiça um documento que contém 13 tópicos que reforçam a participação do menor no planejamento dessa barbárie.

Muitas evidências apontam para o envolvimento do adolescente no planejamento do massacre.

Publicidade

Uma professora afirma que, no início do mês, ela fez uma dinâmica de grupo sobre as expectativas de futuro e, para o espanto de todos, o menor afirmou com frieza que seu maior sonho seria entrar em uma escola com uma arma e atirar em várias pessoas de forma aleatória.

Uma testemunha corrobora com as provas contra o menor que ajudou a planejar o massacre

Um amigo do menor acusado também fez um depoimento que incrimina o suspeito.

Publicidade

Ele afirmou que o amigo lhe disse que havia planejado o massacre junto com um dos assassinos, mas não sabia quando o plano deles seria executado.

Essa mesma testemunha alega ter visto o menor com os outros dois assassinos em uma locadora, a mesma que alugou o carro que foi usado no crime. Foi encontrada também uma bota estilo coturno, muito similar às botas usadas pelos criminosos durante a ação que resultou em 10 mortes.

Foi com base nessas informações e no parecer do promotor Rafael do Val que a juíza Erica Marcelina Cruz determinou a apreensão do adolescente suspeito do planejamento desse massacre.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo