Em um país marcado ainda com poucas adoções de crianças e adolescentes, algumas medidas de divulgação se fazem necessárias para tal. Foi o que aconteceu com o desfile de crianças e adolescentes –entre 4 a 17 anos– que ocorreu em um shopping de Cuiabá, na última terça-feira (21).

Esse evento foi promovido pelo Ampara (Associação Mato-grossense de Pesquisa e Apoio à Adoção), em parceria com a CIJ (Comissão de Infância e Juventude) da OAB-MT (Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso).

O evento também contou com a autorização da juíza Gleide Bispo Santos, da primeira Vara da Infância e Juventude de Cuiabá.

A presidente do Ampara, Lindecir Rocha, explica que o projeto para esses jovens só é uma oportunidade de fazer a integração na convivência social deles com o mundo que não enxerga nem eles, nem o problema. Segundo a presidente do órgão, além do desfile, também haverá uma exposição de fotos de jovens e crianças, para mostrar as diversas famílias que foram construíveis com a adoção.

Em nota, a Ampara esclarece que junto com a Ordem dos Advogados do Mato Grosso, rejeita qualquer outra interpretação além do intuito que o evento foi realizado. Ainda, a Ampara diz que o evento não tem nenhuma ligação com os vários períodos históricos “sombrios” e que em nenhum momento teve a intenção de expor as crianças e os jovens envolvidos.

A declaração da Ampara ocorre após uma série de críticas nas redes sociais e mais especificamente do advogado e também membro da Academia de Letras do Mato Grosso Eduardo Mahon, que comparou o desfile às feiras que vendiam escravos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Corrupção

A nota da Ampara esclarece ainda que nenhuma criança ou adolescente foi obrigado a participar do desfile e que todos que participaram expressaram para todos os organizadores muita alegria de terem a possibilidade de participar de um evento tendo uma chance de serem adotadas. Todas as crianças e adolescentes que participaram do evento participaram ou com seus “padrinhos” ou com os pais adotivos de algumas. Ainda, diz que o evento teve devidas autorizações legais das varas da juventude e da infância de Cuiabá e de Várzea Grande.

Histórico do evento

Não é a primeira vez que os organizadores do evento fizeram o desfile. Houve um outro, em novembro de 2016, e dois adolescentes foram adotados na ocasião. Em entrevista ao G1, Lindacir Rocha, presidente da Ampara, comentou sobre adoções tardias e pediu urgência para eventos como esse, pois a maioria das adoções são de crianças e não de adolescentes. Então, fizeram essa Semana da Adoção para anunciar e mostrar vários adolescentes que também desejam ser adorados.

Segundo o relatório de dados estatísticos do Cadastro Nacional de Adoção do Conselho Nacional de Justiça, cerca de 8,7 mil crianças e adolescentes no Brasil aguardam ainda uma família.

Em nota , o shopping onde foi realizado o evento disse que repudia qualquer meio de tratar crianças e adolescentes como um objeto. Ele esclarece que a intenção em trazer a ação ao local foi promover uma conscientização sobre a adoção e os direitos das crianças.

Ainda de acordo com o shopping, além dos desfiles, no evento também aconteceram palestras e seminários sobre o tema.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo