Um idoso de 71 anos, que estava internado desde a semana passada, após levar mais de duas mil picadas de abelha, morreu no início da manhã desta quarta-feira (1°), no Hospital das Clínicas da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu, interior de São Paulo. A morte aconteceu por falência múltipla dos órgãos.

Na última sexta-feira (26), João Alves de Souza andava de bicicleta às margens da rodovia Osni Mateus, na cidade de Cerqueira César, quando foi atacado pelo exame de abelhas. Ele ainda correu por 300 metros até um matagal e pegou algumas folhas para tentar se proteger, mas não conseguiu evitar que os insetos lhe deferissem mais de duas mil ferroadas.

Ele foi avistado por um motorista que passava pela estrada e solicitou ajuda. Socorrido, o idoso primeiramente foi encaminhado ao pronto-socorro de Avaré, cidade vizinha a Cerqueira César, e depois transferido para o Hospital da Unesp, em Botucatu, onde ficou interno na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A maioria das ferroadas foram na região do rosto, pescoço e braços. Uma enfermeira responsável pelo atendimento disse que foram tirados mais de 2 mil ferrões do corpo do idoso.

Próximo ao local onde ocorreu o ataque existe um apiário, mas o idoso não informou se havia mexido nas caixas. Os bombeiros se dirigiram até o local onde houve o ataque e encontraram algumas caixas usadas para a produção de mel e a suspeita é que o enxame de abelhas tenham vindo delas.

Cada uma dessas caixas pode conter até 80 mil abelhas e bastam 200 picadas do inseto para que uma pessoa possa ter o risco de morrer. A Polícia Civil já abriu um inquérito para apurar eventuais responsabilidades no caso.

Número de mortes por acidentes com abelhas

O sargento do Corpo de Bombeiros Alexandre Monteiro deu algumas instruções sobre o que fazer quando se é atacando por um exame de abelhas.

De acordo com ele, a pessoa deve mantar e calma, buscar abrigo, não correr em linha reta, e, se possível proteger rosto, pescoço e vias aéreas.

Especialistas aconselham que se uma pessoa for picada, ela não deve puxar o ferrão com as mãos, uma vez que veneno do inseto nunca é injetado de uma vez no organismo. “Se a pessoa puxar o ferrão, acabará injetando todo o conteúdo em seu organismo”, diz o médico veterinário Ricardo Orsi.

O aconselhável é tirar o ferrão pela base de inserção na pele, com a ajuda de uma pinça, uma faca ou até mesmo a unha.

Dados do Ministério da Saúde apontam que no Brasil cerca de 40 pessoas por ano morrem em decorrência de acidentes provocados por abelhas. Ainda de acordo com esses dados, no ano de 2013 ocorreram cerca de dez mil acidentes dessa natureza no país.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!