A Polícia Civil do Distrito Federal divulgou o laudo da morte do garoto Rhuan Maicon da Silva Castro, de 9 anos. O documento apontou que a criança foi decapitada ainda viva, quando recebeu um golpe inicial no peito e depois tomou 11 facadas nas costas.

O assassinato do menino aconteceu no final do último mês de maio, em Samambaia, na região administrativa do Distrito Federal. A mãe, Rosana Auri da Silva Cândido, de 27 anos, teria esquartejado o filho com ajuda da sua companheira, Kacyla Pryscila Santiago Damasceno Pessoa, de 28.

Durante depoimento à polícia, as duas mulheres confessaram o crime e não demonstraram arrependimento. Elas estão presas desde o último dia 1°.

A investigação foi encerrads e, de acordo com delegado Guilherme Melo, da 26º DP, as duas mulheres responderão pelos crimes de homicídio qualificado, tortura, ocultação de cadáver, fraude processual e lesão corporal.

Entenda o crime do menino Rhuan

Segundo as informações da polícia, o pequeno Rhuan estava dormindo quando foi assassinado pela mãe, Rosana, com auxílio da sua companheira, Kacyla.

A investigação aponta que elas esfaquearam e esquartejaram a criança e ainda tentaram queimar partes do corpo na churrasqueira que tinha na casa onde moravam. E também teriam tentado se desfazer do cadáver, colocando o corpo dentro de uma mala e de uma mochila.

Os restos mortais de Rhuan foram localizados em dois lugares: na casa do casal em Samambaia e em frente à creche Azulão, onde Rosana deixou a mala. Algumas pessoas viram a mulher, acharam suspeito o comportamento e ligaram para polícia.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Cárcere privado

Segundo a Polícia Civil, a crianças supostamente vivia em casa em cárcere privado e não estavam matriculadas na escola, para não chamar atenção, já que os pai estava procurando o filho. A polícia suspeita que há cerca de um ano, Rosana teria cortado o órgão sexual do filho.

Além de Rhuan, as duas criavam a filha de Kacyla, que testemunhou a morte de Rhuan. Após a descoberta do assassinato, a menina foi encaminhada para um abrigo.

No final de 2014, Kacyla sequestrou a menina, e o pai, Rodrigo Oliveira, de 29 anos, dirigiu-se ao Distrito Federal para reencontrar a sua filha logo após o crime. Assim como Rhuan, a menina foi sequestrada. Rosana e Kacyla moravam no Acre, onde se conheceram e começaram o relacionamento. Rosana fugiu com o filho após ter perdido a guarda do menino na Justiça.

De acordo com o pai da menina, ele e o avô de Rhuan tentaram encontrar as duas, mas era muito difícil encontrá-las pois elas mudavam muito de cidade e de estado.

A motivação do crime, de acordo com Rosana, foi a ligação que ela tinha com o pai da criança, pois, ela considerava que ele era um impedimento para o seu relacionamento com Kacyla.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo