Nesta segunda-feira (3), a Polícia Civil apreendeu em flagrante 8 adolescentes suspeitos de vandalizar uma sala de aula na Escola Estadual Maria de Lourdes Teixeira, em Carapicuíba, na região metropolitana de São Paulo, e atirar carteiras e material escolar em direção a uma professora na sexta-feira (31).

Um vídeo, filmado por um aluno usando um celular e publicado nas redes sociais, mostra a professora quase sendo atingida por um livro. Ela sofre ameaças de alguns alunos e não consegue controlá-los. Os adolescentes seguem gritando e vandalizando as carteiras da sala de aula. Depois que a professora deixa a sala, os alunos continuam com o vandalismo.

A professora de 45 anos está internada desde segunda-feira no Hospital do Servidor Público Estadual, em São Paulo. Segundo a família, ela teve um surto em casa no domingo (2) e permanece internada.

Adolescentes foram apreendidos

A Polícia não apreendeu outros dois alunos que aparecem nas imagens porque eles não foram localizados. Eles também devem responder pelos mesmos atos de infração que os outros oito: tentativa de lesão corporal contra a professora, dano ao patrimônio público, injúria e ameaça.

Nesta quarta-feira (4), os oito adolescentes seriam apresentados ao Juízo da Vara da Infância e da Juventude.

Sete alunos foram suspensos

Ainda nesta segunda-feira, Rossieli Soares, secretário estadual da Educação de São Paulo, explicou que sete alunos foram suspensos.

Segundo ele, sete alunos haviam sido suspensos e o Conselho Tutelar (professores, pais e comunidade) iria se reunir para decidir o futuro dos adolescentes.

Os alunos podem ser punidos com advertência e até mesmo com uma transferência compulsória. Segundo Rossieli, a Secretaria de Educação vai orientar a escola e o Conselho Tutelar a optarem pela transferência compulsória dos alunos.

O Conselho Tutelar acompanha o caso que está sendo investigado pela Polícia Civil.

Agressões a professores de São Paulo aumentaram em 2018

Houve um aumento de 73% no número de agressões a professores de São Paulo em 2018, em comparação a 2017, conforme mostrou o levantamento feito pela GloboNews via Lei de Acesso à Informação. Duzentos e cinquenta e um professores da rede estadual de educação foram agredidos em 2017 e, em 2018, esse número chegou a 434.

Os dados começaram a ser registrados em 2014 pelo Registro de Ocorrência Escolar (ROE), ano em que houve o registro de 234 casos de agressão a professores em São Paulo. Desde então, o ano de 2015 foi o que teve menos agressões, 188. Já 2018 aparece no topo da lista com o maior número de agressões, uma alta de 83% em relação ao número de 2014.

Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Escola
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!