Um jovem identificado como Bruno Silva foi morto por um segurança a facadas na tarde desta quinta-feira (4), em um campus da PUC (Pontifica Universidade Católica) na rua Marques de Paranaguá, no centro de São Paulo. A vítima, que era um ex-aluno da universidade, havia discutido com um segurança terceirizado da portaria e lhe agredido com uma barra de ferro.

De acordo com as primeiras informações, por volta das 16h30, o jovem, que havia se formado em Engenharia Civil no ano passado, pediu para entrar no prédio para usar o banheiro, localizado no segundo andar do prédio, mas não foi autorizado pela portaria.

Iniciou-se uma discussão e o rapaz teria ido até sua moto, que estava estacionada em frente, e voltado com uma barra de ferro para agredir o segurança, quando acabou sendo esfaqueado na barriga. Apesar de sido socorrido pela equipe de enfermagem, morreu no local. Existe outra versão, dando conta que o segurança da universidade esfaqueou o rapaz apenas por vê-lo com a barra de ferro na mão, sem ter sido antes atacado.

Uma testemunha relatou que estava no laboratório quando ouviu gritos. Todos correram para ver o que estava acontecendo e viram rapaz já morto e o porteiro sendo levado por policiais. A testemunha relatou a ainda que a Polícia Miliar esvaziou o prédio.

O segurança, que não teve seu nome revelado, ficou ferido por conta dos golpes de barra de ferro que recebeu. Ele foi encaminhado ao 4º Distrito Policial (Consolação) para prestar depoimento e depois foi levado para fazer exame de corpo de delito.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Colegas dizem que vítima tinha comportamento instável

Um amigo da vítima ouvido pela reportagem do jornal Agora São Paulo, disse que Bruno era órfão de mãe e trabalhava como motoboy para se sustentar, uma vez que estava desempregado. De acordo com esse amigo, o jovem, que era bolsista na universidade, era uma pessoa ingênua, mas tinha um comportamento impulsivo. "Quando perdia a cabeça, tomava atitudes impensadas", falou o amigo, que pediu para não ter seu nome divulgado.

Segundo ele, por conta desse comportamento, ele tinha o apelido de "Zica".

Já outro estudante acredita que a briga tenha durado poucos minutos. Para ele, apesar do colega ser avesso a brigas, teria ameaçado o segurança com uma barra de ferro. "Ele era incisivo, mas nunca se envolveu em brigas", disse Caíque Sena, de 24 anos. Os colegas dizem ainda que a vítima tinha um comportamento instável, mas não era violento.

PUC emite nota e lamenta ocorrido

A PUC emitiu uma nota oficial onde lamentou os fatos ocorridos em sua portaria e que está tomando todas as providências cabíveis e colaborando com as autoridades. A instituição diz ainda que enfatiza seu "compromisso com uma sociedade pacífica, pautada no diálogo e no respeito".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo