Após 37 anos da morte da mãe, seis irmãos descobriram toda a verdade nesta semana: ela havia sido assassinada pelo próprio marido, hoje com 78 anos. Eles procuraram a delegacia de Lucas do Rio Verde, cidade que fica a 360 quilômetros de Cuiabá, em Mato Grosso, para denunciar o crime.

O caso aconteceu em janeiro de 1982 e desde então o homem, hoje casado com uma segunda mulher, havia dito que a esposa fora morta durante um assalto, versão que não convenceu os filhos, que nos últimos meses passaram a investigar o caso.

Após questionar o pai no último final de semana, ele finalmente confessou e deu detalhes de como cometeu o crime, sem demostrar remorso algum, segundo os filhos. “Ele confessou três vezes sem derramar uma lágrima”, disseram os familiares.

O crime

Pierina Carroro foi morta no dia 25 de janeiro de 1982, durante uma viagem do casal. Na época, o pai contou para os sete filhos (um deles já falecido), que tinham entre 7 e 19 anos, que a mãe havia sido morta em um assalto.

Passaram-se os anos e os filhos nunca se convenceram da versão dada pelo pai, uma vez que vizinhos afirmavam que ela havia sido assassinada pelo próprio marido e a história do assalto era falsa.

Nos últimos três meses levantaram documentos, entrevistaram autoridades, vizinhos e enfermeiras. Todo o material foi entregue na terça-feira ao delegado Daniel Nery. De acordo com o delegado, por se tratar de um crime de homicídio, o caso prescreveu e o homem não poderá ser indiciado, uma vez que não houve ocultação de cadáver.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

No entanto, o caso será encaminhado para a Polícia Civil de Santa Catarina, estado onde ocorreu o crime, que decidirá ser abrirá investigação.

Mesmo sem a possibilidade de o pai pagar pelo crime na prisão, os familiares dizem que estão aliviados. “Ficamos aliviados, só queríamos a verdade e esclarecer o que aconteceu”, disseram.

Homem simulou assalto

O caso começou quando a Pierina Carroro descobriu que o marido mantinha um caso extraconjugal com uma das empregadas da casa e pediu o divórcio.

Segundo o acusado, uma separação não seria bem vista pela sociedade na época, e por isso ele decidiu matá-la.

De acordo com os filhos, ele mantinha um caso com a empregada há dois anos. O pai teria passado a chantagear a mulher, que então revelou a traição para vizinhos e parentes.

Para poder cometer o crime sem levantar suspeitas, ele decidiu fazer uma viagem sozinho de carro com a mulher para a cidade de São Carlos, em Santa Catarina.

Eles saíram durante a madrugada e no caminho ele simulou que o pneu havia furado.

Após encostar o carro, ele acertou a cabeça da vítima com uma pedra e depois a arrastou até o acostamento onde deu um tiro em seu peito e deixou o local logo em seguida, abandonando o corpo. Para sustentar a versão do assalto, ele ainda jogou a pedra no para-brisa do carro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo