Neste domingo (18), um cachorro da raça pitbull morreu depois de ficar dois dias lutando pela vida. Ele foi encontrado nesta última sexta-feira (15), em Limeira, no interior de São Paulo, enrolado em um cobertor que pegava fogo.

O fato chocou não só a população da cidade, mas também pessoas de todo o Brasil, já que o caso vem ganhando grande repercussão nas redes sociais.

Duas voluntárias da ONG Alpa (Associação Limeirense de Proteção a Animais) conseguiram resgatar o pitbull, apelidado de Titan, fazendo de tudo para que ele conseguisse viver, o que infelizmente não aconteceu.

De acordo com um comunicado divulgado pela ONG nas redes sociais, quando as duas voluntárias chegaram ao local, muitas pessoas já estavam lá tentando socorrê-lo.

Tentando salvar o cachorrinho

Testemunhas disseram que um homem conseguiu encher alguns baldes com água e apagou as chamas, mas infelizmente o animal já estava muito queimado nesta altura. Como não há câmeras de segurança na região, será difícil saber quem fez isto com o cão.

Se alguma testemunha tiver flagrado a pessoa que ateou fogo no animal poderá denunciar o caso à Polícia, mas até o momento não apareceu ninguém que tivesse alguma pista que pudesse levar ao criminoso.

Calcula-se que Titan tinha idade entre 1 e 2 anos. Pela aparência foi possível observar que ele era um animal muito bem cuidado e não havia presença de parasitas. O cachorro chegou a ser levado para um hospital veterinário onde recebeu todos os cuidados e os exames revelaram que ele chegou a ter ambos os rins afetados pelo fogo, além de ter queimado as vias aéreas e quase toda pele.

O cachorro morreu no início da manhã deste domingo e o corpo foi encaminhado para necropsia, para que depois fosse enterrado no Cemitério de Animais em Piracicaba.

Quem acionou a ONG em Limeira foi uma pessoa que passava pelo local e quando viu as chamas e ouviu um cachorro gritando, logo deduziu o que poderia estar acontecendo. O animal foi queimado em uma área verde que fica localizada entre Jequitibás e Graminha.

Ninguém foi preso ainda

Cassiana Fagoti, que é presidente da Alpa, contou ao G1 que o pitbull estava muito ferido nas costas, patas e também no rosto.

Apesar de ter sido levado em estado grave para o hospital veterinário, todos tinham esperança que ele conseguisse sobreviver, o que infelizmente não conseguiu.

A presidente da Alpa informou que seria de grande importância que a polícia encontrasse o autor ou o tutor do cachorro, mesmo que não seja ele que tenha ateado fogo no animal, do contrário este pode se tornar só mais um caso de maus-tratos sem que haja punição. Por falta de câmeras de segurança no local, a esperança é que haja denúncia anônima.

Não perca a nossa página no Facebook!