O presidente Jair Bolsonaro (PSL), nesta terça-feira (20), criticou o parecer da Consultoria Legislativa do Senado que afirmou que se trata de prática de nepotismo a indicação do presidente para que seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), ocupe o cargo de embaixador do Brasil em Washington.

Bolsonaro acredita que o relatório da Consultoria do Senado tem "viés político", porém, o líder do Executivo disse que poderá recuar da decisão caso não haja número de votos suficientes para a aprovação de Eduardo Bolsonaro.

O atual morador do Palácio da Alvorada afirmou que as Comissões agem "de acordo com o interesse do parlamentar". Para o pai do deputado federal do PSL, o que realmente vale é a súmula do Supremo, que afirma não haver nepotismo na indicação do filho "03" de Bolsonaro.

Questionado pelos jornalistas se existe a possibilidade de desistência na indicação de seu filho para o cargo de embaixador, Bolsonaro disse que tudo é possível, que não irá submeter sua prole a um fracasso: "eu não quero submeter o meu filho a um fracasso. Acho que ele tem competência".

'A indicação está mantida', diz Eduardo

Eduardo Bolsonaro conversou com a reportagem do portal G1, também nesta terça-feira, e disse que a indicação está mantida.

Nos últimos dias o deputado intensificou a campanha que tem feito em torno da aprovação de seu nome. Ele tem visitado senadores em seus gabinetes em busca de apoio.

A ideia do presidente da República de indicar seu próprio filho para a embaixada foi anunciada em julho.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Já no início do mês seguinte, o Governo norte-americano sinalizou positivamente para a indicação do deputado federal. O presidente americano, Donald Trump, elogiou a escolha de Eduardo Bolsonaro.

O governo brasileiro não enviou ainda a indicação formal para o Senado para que o filho de Jair Bolsonaro assuma o cargo de embaixador.

Opinião dos apoiadores

Enquanto Bolsonaro não vê nenhum problema em indicar seu filho para o cargo de embaixador, para boa parte dos próprios apoiadores do presidente esta atitude não foi bem vista, é o que mostra pesquisa feita pela empresa de inteligência de dados Quaest.

O resultado da pesquisa mostra que 55% dos eleitores que disseram ter votado no segundo turno em Jair Bolsonaro concordam com a medida tomada por Jair Bolsonaro. Enquanto que para 45% dos eleitores de Bolsonaro no segundo turno, esta atitude não foi bem recebida.

A pesquisa mostrou ainda que para 97% dos que disseram ter votado no candidato do PT, Fernando Haddad, esta medida de Bolsonaro é reprovável.

Enquanto aqueles que disseram não ter votado nem no candidato do PT e nem no candidato do PSL, apenas 10% mostraram-se favoráveis à ida de Eduardo Bolsonaro para a embaixada do Brasil em Washington.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo