A triste história da noiva grávida que passou mal na porta da igreja antes de se casar, no último dia 14 de setembro, gerou comoção nas redes sociais. Jéssica, de 30 anos, iria se casar com o tenente Flávio Gonçalves, quando sofreu um AVC ao chegar no local da cerimônia. Ela estava grávida de 6 meses e teve que ser submetida a uma cesariana de urgência para que a vida da criança fosse salva, após ser constatada morte cerebral na mãe.

A menina Sophia nasceu prematura, com apenas um quilo, na Maternidade Pro Matre, em São Paulo, e sua internação na UTI teria um valor aproximado de R$ 6 mil por dia. Sem dinheiro para cobrir a despesa, familiares e amigos do casal lançaram uma vaquinha online para arrecadar o valor necessário para o tratamento da menina, mas tiveram uma grande surpresa na última quinta-feira.

Depois de toda a comoção gerada pela morte de Jéssica e o nascimento prematuro da criança, o hospital lançou uma nota informando que não cobrará os valores referentes ao tratamento da menina.

Segundo a instituição, a Pro Matre Paulista se solidariza com a dor do tenente Flávio e dos familiares e quer garantir que ele possa exercer o papel de pai, dedicando todo o seu amor à menina, que tanto precisa dele.

Flávio compartilhou essa notícia em seu Instagram, dizendo que estava se sentindo feliz e confortado ao mesmo tempo. Ele disse que a Unidade Hospitalar havia dispensado os custos do atendimento realizado a Jéssica e também concedido o tratamento integral a Sophia.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Maternidade

Aliviado com a notícia, Flávio agradeceu em nome do casal pela atitude sensível e humana dos administradores do local e disse que não existia lugar melhor para que sua filha pudesse ser cuidada. A menina deve ficar meses internada na maternidade, até que alcance o peso e as condições de saúde necessárias para ir para casa.

Entenda a história do casal

Jéssica e Flávio estavam juntos há sete anos e iam se casar no dia 15 de novembro, mas por causa de uma gravidez da mulher, que ocorreu no momento em que a enfermeira trocava de anticoncepcional, eles adiantaram o casamento para o dia 14 de setembro.

A enfermeira estava muito feliz por realizar o sonho de ser casar e ser mãe, mas uma tragédia interrompeu o sonho do casal. A mulher passou mal quando chegou na porta da igreja para se casar e teve que ser socorrida pelo noivo e por pessoas presentes, até que uma ambulância chegasse para levá-la para um hospital.

Foi constatado que ela havia sofrido um AVC (acidente vascular cerebral) devido a um quadro de eclâmpsia, que é a pressão alta durante a gravidez.

Ao ser constado a morte cerebral da moça, o hospital realizou uma cirurgia de emergência e conseguiu salvar a vida da criança, que se encontra na UTI neonatal do Hospital Pro Matre em São Paulo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo