O suspeito de ter assassinado a jovem Mariana Bazza negou que tenha sido o responsável pelo crime e culpou uma terceira pessoa pela morte dela. O corpo da universitária foi encontrado num canavial na região de Ibitinga, nesta última quarta-feira (25). Ela aceitou uma ajuda para trocar o pneu do seu carro e acabou sendo assassinada.

Conforme informações apuradas pelo portal G1, Rodrigo Pereira Alves, de 37 anos, chorou muito durante a audiência e negou ser o culpado pela morte da jovem. No entanto, o delegado responsável pelo caso, Durval Neto, disse que percebeu no suspeito um jeito calculista e frio.

Para Durval, Rodrigo demonstrou muita calma e, ao seu ver, ele sabia o que estava falando, além de saber o que a Polícia estava procurando.

Segundo o delegado, a informação que eles receberam é que essa terceira pessoa que o suspeito fala estaria com o veículo. No entanto, diante das imagens de uma câmera de segurança, essa versão pode estar sendo equivocada, já que o carro saiu da chácara, ou seja, no mesmo local onde o suspeito e Mariana teriam entrado. Embora não haja informações dessa terceira pessoa, o delegado diz que o caso continuará sendo investigado e nada pode ser descartado.

Rodrigo teve a prisão decretada provisoriamente e ficará no Centro de Detenção de Bauru. Segundo informações da polícia, o suspeito já é conhecido da casa. Ele estava cumprindo prisão domiciliar por roubo e constrangimento ilegal, mas já tinha várias outras passagens pela polícia.

O advogado de Rodrigo, Evandro Demétrio, disse que o suspeito não assume que cometeu o crime e afirma que tem outra pessoa envolvida. Contudo, seu cliente só daria as informações mediante juízo e um depoimento ainda não foi formalizado. Rodrigo ainda não apresentou ao delegado nenhuma versão dos fatos.

Dor e tristeza

O velório de Mariana foi marcado por profunda comoção e o seu sepultamento aconteceu na tarde desta quinta-feira (26), no cemitério municipal de Bariri.

Conforme informações divulgadas pelo G1, um funcionário do cemitério disse que mais de mil pessoas estiveram presentes no velório para darem o adeus a Mariana.

Uma moradora de Bariri, Maria José Alves, falou ao G1 que a jovem era muito alegre e boazinha. Segundo ela, todos estão surpresos com a morte da universitária. Uma outra moradora disse que o crime foi tão bárbaro que causou revolta em todos.

Nas redes sociais, vários amigos dela colocaram as homenagens e pesares. O seu namorado, Jefferson Viana, fez um desabafo no Facebook, afirmando que tudo o que sente nesse momento é uma imensa saudade. "Para sempre vou te amar", completou.

Mariana cursava fisioterapia numa universidade particular de Bauru.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!