A delegada Bianca Prado detalhou nesta última quarta-feira (2) o resultado de um inquérito que aponta uma série de crimes cometidos no asilo particular Acolhendo Vidas, em Santa Luzia, Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Foi relatado que devido aos maus tratos que aconteciam dentro do asilo pelos funcionários contra os idosos, pelo menos 18 moradores teriam morrido no local. A delegada ainda informou que além dos idosos ficarem vários dias sem se alimentarem, eles ainda passavam por episódios de agressões, nos quais recebiam socos, pontapés e demais violências dos cuidadores do local.

A investigadora responsável pelo caso ainda relatou que foi descoberto que, como parte de uma destas agressões, uma cadeira foi quebrada em cima de um idoso residente do local.

A investigação durou cerca de 60 dias e acabou com o indiciamento de seis pessoas. Cinco delas estão presas. Segundo a Polícia Civil, também ocorriam casos de abuso sexual. Uma das vítimas seria um idoso de 70 anos.

Abuso com Deficiente

Uma jovem de 23 anos, que tem os membros atrofiados, teria sido abusada pela dona do asilo e o marido dela.

Testemunhas relataram que viram os dois beijando a jovem de forma forçada.

Além disso, foi relatado que a jovem também constantemente ia dormir de roupa e quando acordava estava totalmente nua. A delegada também constatou que uma outra interna informou que era possível ouvir os gritos da menina durante as sessões de abuso.

No inquérito que foi aberto a respeito do caso, que contém mais de mil páginas, foi destacado também que ocorriam afogamentos na piscina e banhos de água gelada.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

A delegada ainda relatou que um senhor que vivia no local chegou ao hospital com uma bicheira (infecção parasitária causada por larvas de moscas). Bianca ainda descrevia que o cenário encontrado no local era totalmente indigno para os internos, mas que, segundo informações, os familiares deles não sabiam a respeito do que acontecia.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo