O prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, encontra-se internado, desde quarta-feira (23), no Hospital Sírio-Libanês, para tratamento de uma trombose, que iniciou como erisipela. Pai de Bruno Covas, o ex-governador de São Paulo, Mário Covas, morreu em 2001, e sofreu com erisipela.

O prefeito tem 39 anos, e está com bactérias alojadas na sua perna direita. Ele está sob os cuidados de junta médica, de responsabilidade do médico infectologista David Uip, ex-secretário de Estado de Saúde de São Paulo.

A equipe vem administrando a saúde de Bruno Covas com antibióticos e anti-inflamatórios por via introvenosa. Ainda não foi definida a saída de Covas do Sírio-Libanês, mais ele também não solicitou seu afastamento da função de prefeito de São Paulo.

Nesta sexta-feira, 25, análises adicionais revelaram trombose venosa no organismo do prefeito. Isso representa o surgimento de coágulo sanguíneo em veia profunda da perna ou do tornozelo.

A erisipela é uma infecção cutânea provocada pela bactéria Streptococcus pyogenes, do grupo A. Pode ser causada também pelo bacilo do tipo B, entrando no corpo das pessoas através de picadas de insetos, frieiras, e micoses de unhas, disseminando-se pelos vasos linfáticos, podendo atingir os tecidos subcutâneo e o gorduroso.

Bactérias precisam de ambiente favorável

Todos os seres humanos são portadores dessas bactérias, mas o seu desenvolvimento no organismo depende de ambiente favorável.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Outras situações que permitem a entrada desses germes no corpo humano, são pessoas acima do peso, quadro de insuficiência venosa nos membros inferiores, diabetes descompensada, cardiopatas e nefropatas com problemas de circulação nas pernas, desânimo ou doenças crônicas debilitando pessoas.

Os sintomas da doença, de aspecto clínico, são: febre alta, tremores, mal-estar e náuseas. Com a lesão, a pele adquire aspecto brilhante e doloroso, com vermelhidão, edema e inchaço.

Conforme a gravidade, a doença pode provocar feridas ou bolhas, indicando que no local existe alguma deformidade.

Para prevenir o acesso das bactérias ao organismo, as pessoas devem enxugar muito bem os vãos existentes entre um dedo e outro dos pés; evitar o uso diário do mesmo par de sapatos. Pelo site, Dr. Dráuzio adverte, que o portador de diabetes compensada ou não, pode perder parte da sensibilidade dos pés.

Isso poderá torná-los vulneráveis à entrada dos germes causadores da erisipela. O médico orienta, ainda, que o local deve ser verificado pelo menos uma vez por semana, se não existem fungos entre os dedos, ou ainda, bolhas ou pequenas rachaduras.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo