Novo entendimento do SupremoTribunal Federal (STF), de que uma pessoa só pode ser presa após o processo de condenação ter sido transitado em julgado, deu liberdade ao ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), nesta sexta-feira (8). Lula, que deixou a carceragem da Polícia Federal em Curitiba, por volta das 17h40, foi preso no dia 7 de abril de 2018, acusado de envolvimento no caso de um apartamento triplex no Guarujá, em São Paulo.

O processo do petista ocorreu dentro da Operação Lava Jato. Na ocasião da prisão, Lula se entregou à Polícia Federal, na Superintendência da instituição, em São Bernardo do Campo. Posteriormente foi levado de avião da Força Aérea Brasileira (FAB) à Curitiba, permanecendo detido por 580 dias, em cela na sede da Polícia Federal (PF), em Curitiba no Paraná.

O juiz Danilo Pereira Júnior acolheu pedido da defesa de Lula, que baseado neste novo entendimento do Supremo Tribunal Federal, protocolou solicitação da liberdade de Lula na manhã desta sexta-feira (8).

Em liberdade, o metalúrgico de São Bernardo do Campo, referindo-se ao sofrimento no período de reclusão, disse aos seus apoiadores: “Vocês eram o alimento que eu precisava para resistir ”. Lula não estava sozinho quando saiu da Polícia Federal. Ele estava acompanhado da socióloga e namorada, Rosângela Silva, com quem deverá contrair novo matrimônio, diversos dirigentes do Partido dos Trabalhadores (PT), e ouvindo gritos de “Lula livre”, de apoiadores e correligionários.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Lula

Presidente do STF, Tofolli dá o voto decisivo

Por 6 votos a favor da prisão após esgotamentos de recursos nas diversas instâncias e 5 contrários, para prisão em segunda esfera, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli foi o ministro que deu o voto de minerva. O resultado dessa decisão que contemplou com direito de ir e vir, o ex-presidente Lula, saiu nesta quinta-feira (7), modificando a compreensão, adotada pela congregação de ministros em 2016, orientando a adoção da pena de pessoas condenadas em segunda instância.

De acordo com o Conselho Nacional de Justiça, aproximadamente, 4895 presidiários deverão ser beneficiados com esse julgamento do STF. Muitos deles foram atingidos pela Operação Lava Jato, como o ex-presidente Lula. Num ciclo de quatro sessões, os seis ministros que votaram a favor de pender condenados somente após o trâmite em julgado, foram: Ricardo Lewandowiski, Rosa Weber, Marco Aurélio Mello, Gilmar Mendes, Celso de Mello e o ministro do STF, Dias Toffoli.

Votaram pela condenação em segunda instância, os ministros, Alexandre Moraes, Luís Roberto Barroso, Edson Fachin, Luís Fux e Cármen Lúcia.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo