Nesta última quarta-feira (6), a Polícia Federal abriu inquérito para investigar o porteiro que citou o presidente da República Jair Bolsonaro como sendo o responsável pela entrada de Élcio Queiroz no condomínio Vivendas da Barra.

Élcio Queiroz é um dos suspeitos de ter participado dos assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes. O crime aconteceu no mesmo dia de 2018 em que Élcio entrou no condomínio em que reside o presidente Bolsonaro.

A investigação, que está sendo conduzida pela Polícia Civil do Rio de Janeiro e pelo Ministério Público (MP) carioca, está repleta de dúvidas, até mesmo porque existe a possibilidade de mais um funcionário do condomínio estar envolvido no caso.

Obstrução de Justiça, denunciação caluniosa e falso testemunho, estes são os crimes em que o porteiro do condomínio de luxo irá ser investigado, porém, ele não responsabilizou o presidente em nenhum crime.

Foi o próprio Jair Bolsonaro quem solicitou que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, colocasse a PF no caso.

A família de Marielle Franco já se pronunciou dizendo que não aprova a participação de agentes federais comandados por Moro na investigação do caso.

Mas não é só a família da vereadora assassinada que é contra a interferência de Bolsonaro e Moro nas investigações, representantes da oposição e especialistas na área de segurança também temem por uma possível influência do presidente nesse caso.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Jair Bolsonaro

Bolsonaro já havia sido criticado por procurar um comando "alinhado" para o cargo de Procurador Geral da República, em agosto tentou impor uma mudança no comando da Polícia Federal do Rio de Janeiro, o que desagradou associações de policiais e vários delegados ameaçaram se demitir por causa da interferência de Bolsonaro.

Na época, Bolsonaro determinou que o então chefe da PF no Rio de Janeiro, Ricardo Saad, fosse exonerado. Para o seu lugar, o presidente queria que entrasse o delegado Alexandre Saraiva. Saraiva atualmente é chefe da Polícia Federal do Amazonas.

Bolsonaro derrotado

A cúpula da corporação decidiu pelo nome de Carlos Henrique Oliveira de Souza, atual chefe da PF de Pernambuco, para chefiar a PF do Rio de Janeiro. Até o momento, a nomeação de Souza ainda não foi formalizada no Diário Oficial.

Bolsonaro não deu explicações do porquê da preferência por Saraiva no comando da PF do Rio, pois o mesmo já havia sido sondado pelo líder do Executivo para o cargo de ministro do Meio Ambiente.

A Polícia Federal, além do caso Marielle, também investiga outro caso em que o presidente Bolsonaro mostrou-se interessado.

Um dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (PSL), está sendo investigado por possível crime eleitoral. Ele é suspeito de ter omitido bens à Justiça na eleição de 2014.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo