Em entrevista coletiva na tarde deste sábado (28), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, reforçou que a manutenção do isolamento social e da quarentena é de extrema importância para conter o avanço voraz do novo coronavírus, a Covid-19.

Suas declarações vão na contramão do discurso empregado pelo presidente Jair Messias Bolsonaro (sem partido), que prega a necessidade de a população voltar as ruas, da volta às aulas e da reabertura do comércio.

Para conter o avanço do novo coronavírus é preciso ficar em casa

Neste sábado Mandetta junto com sua equipe apresentou os novos números do coronavírus no Brasil.

Os casos confirmados da Covid-19 chegaram 3.904 e infelizmente o número de óbitos subiu para 114, estes são os dados oficiais do Ministério da Saúde recolhidos até as 15h deste sábado.

Diante deste novo número e deixando claro que é preciso retardar o máximo possível o número de novos casos de coronavírus e para evitar o colapso do sistema de saúde no Brasil, Mandetta fez questão de dizer que as pessoas precisam permanecer em casa, não só aquelas que fazem parte do grupo de risco, como doentes crônicos e maiores de 60 anos.

Jovens não estão imunes ao coronavírus

Desta vez Luiz Henrique foi bastante direto e pediu para que os jovens também respeitem o isolamento social, reforçou a importância em manter escolas e universidades fechadas e ressaltou que neste momento ainda não se pode pensar na reabertura do comércio, pois ainda não se sabe como o contágio irá acontecer nos próximos dias ou semanas.

O ministro justificou tais medidas dizendo que as pessoas precisam ficar em casa para não adoecerem e sobrecarregar os hospitais e os leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), caso isso aconteça milhares de infectados irão morrer.

Ele deu um exemplo sobre como o isolamento social está contribuindo para o melhor atendimento das pessoas com o coronavírus, segundo Mandetta, só pelo fato das pessoas estarem em casa o número de acidentes de trânsito diminuiu consideravelmente o que liberou vagas nos hospitais e prontos-socorros para quem precisa se tratar da Covid-19.

Luiz Henrique afirmou que o Ministério da Saúde vai se pautar por critérios técnicos e pela ciência, já que o Brasil e o mundo estão diante de um desafio nunca enfrentado. “Nós precisamos ter racionalidade e não nos mover por impulso neste momento”.

Coronavírus ataca o sistema como um todo

Ele disse que o novo coronavírus é uma doença que ataca o sistema como um todo, Mandetta disse que a Covid-19 tem atacado a saúde, a economia e a sociedade em todo o mundo.

É preciso que a sociedade faça a sua parte, é preciso que as pessoas entendam que neste momento o isolamento social é a escolha por viver e deixar viver.

É uma questão de sobrevivência, Luiz Henrique ainda ressaltou que uma mudança na regra do isolamento social vai depender da situação de cada estado, de cada cidade, será preciso estudar cada caso. É preciso esperar que os equipamentos médicos adequados precisam chegar nas mãos dos profissionais de saúde, por isso a mobilidade entre os estados e cidades não devem optar pelo 'lockdown', pelo menos não neste momento.

Mandetta também repudiou as manifestações, como por exemplo, as carreatas que aconteceram pedindo o fim do isolamento social.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!