O soldado Gabriel Luz Monteiro de Oliveira, da Polícia Militar do Rio de Janeiro, está afastado da corporação e, devido a isso, perdeu também o seu direito a portar armas e a sua identidade enquanto PM.

É possível afirmar que tudo isso aconteceu depois que Oliveira decidiu criar um canal no YouTube, fazendo com que ele se envolvesse em polêmicas com Ibis Silva Pereira, um ex-comandante geral da corporação citada. Assim, na última quarta-feira (4), foi publicado em um boletim interno da PM que Gabriel havia perdido os seus direitos enquanto policial.

Vale ressaltar que Gabriel também integra o Movimento Brasil Livre (MBL). Devido aos fatores destacados, ele acabou se tornando alvo de uma sindicância interna da corporação, visto que chegou a tratar Ibis de uma forma considerada desrespeitosa em duas ocasiões diferentes.

Essas duas ocasiões, de acordo com informações da IstoÉ, aconteceram no local de trabalho do coronel, que é considerado seu superior dentro da corporação. Em um desses momentos, Gabriel chegou a filmar Ibis sem obter autorização prévia para isso.

Assim, de acordo com os dados contidos no processo, o soldado se passou por um estudante para conseguir ter uma conversa com o ex-comandante da Assembleia Legislativa do Estados do Rio de Janeiro (Alerj). Uma vez que aceitou receber Gabriel, Ibis percebeu que ele tinha a intenção de fazer um vídeo para o seu canal no YouTube e chegou a questionar isso, visto que o soldado havia se mostrado contrário a algumas decisões de Ibis em vídeos anteriores.

Gabriel Oliveira grava novo vídeo

É possível destacar que, segundo informações da IstoÉ, Gabriel chegou a fazer um novo vídeo para o seu canal na última quarta-feira. O vídeo em questão foi feito logo que saiu a decisão da retirada dos direitos do PM e tinha como objetivo comentar a respeito das motivações da corporação para tal.

Além da filmagem em questão, é válido destacar que o soldado se manifestou sobre o caso nas suas redes sociais.

Por meio da sua conta no Twitter, Gabriel chegou a questionar as intenções de Wilson Wtizel, o atual governador do Rio de Janeiro.

Nesse sentido, é possível destacar que o soldado afirmou que devido ao questionamento que havia feito anteriormente, acabou perdendo as suas funções externas na PM e também o seu porte de armas, de forma que ele se sente “largado” pela corporação.

De acordo com as informações da IstoÉ, Ibis chegou a ser procurado pelo jornal O Dia para falar sobre o seu ponto de vista nessa questão. Na ocasião citada, ele afirmou que as decisões tomadas pela Polícia Militar não podem ser comentadas de forma pública por aqueles que trabalham para ela.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!