O filho de Jair Bolsonaro, Carlos, usou a rede social para desmentir a notícia de um churrasco que seria promovido pelo presidente da República, neste sábado, dia 9, no Palácio da Alvorada. A festa reverberou bastante nos meios de comunicação e potencializou os comentários contra o Governo, uma vez que o Brasil se aproxima das 10 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus. Carlos Bolsonaro escreveu, no Twitter: “Quando o que importa não é a verdade diante de um vídeo público, mas a narrativa repetida mil vezes pelos bandidos até que a mentira se torne aceita”.

O jornal Folha de S.Paulo, porém, diz que ouviu aliados do presidente e estes confirmaram que a repercussão sobre a festa pegou mal, o que pesou na decisão de cancelar o encontro.

Outras pessoas próximas ao jornal, segundo a publicação, reforçaram que a festa não era verdade e que tudo não passou de uma provocação.

Revolta com o Movimento Brasil Livre

Jair Bolsonaro não ficou satisfeito com uma ação do Movimento Brasil Livre, o MBL, que buscou a Justiça para impedir o suposto churrasco. O presidente da República disse que os integrantes do grupo de superaram, pois entraram com ação na Justiça. Também chamou de idiotas os jornalistas que “criticaram o churrasco Fake”, escreveu o chefe do Executivo.

Na sexta-feira (8), o Movimento Brasil Livre entrou com uma ação na Justiça.

Na opinião do advogado Tiago Pavinatto, que representa o MBL, o churrasco materializa o abuso de direito. Se o churrasco fosse promovido, o MBL pediu, na ação, que o presidente recebesse uma multa de R$ 100 mil e que o dinheiro fosse revertido às ações de combate ao novo coronavírus.

Fake news ou não, o vice-presidente Hamilton Mourão chegou a ser questionado pela mídia sobre o churrasco.

Ele, inclusive, reclamou da "vaquinha" para a festa, de R$ 70. Na sexta-feira, o presidente voltou a falar do assunto, na porta da residência oficial. Com ironia, ele chegou a convidar apoiadores ao ser questionado pela imprensa, novamente, sobre o assunto. “Quem estiver aqui a gente coloca pra dentro”, afirmou.

Os casos de coronavírus no Brasil

Neste sábado (9), o Congresso decretou luto oficial de três dias em função das mortes provocadas pela covid-19. O decreto foi publicado no Diário Oficial do Congresso. “É uma tragédia que nos devasta mais a cada dia”, destaca a nota assinada pelos presidentes das casas, Rodrigo Maia (Câmara) e Davi Alcolumbre (Senado).

Ambos pedem, no documento, que a população mantenha as recomendações das autoridades médicas e sanitárias.

O Brasil, até a tarde de sábado, registrou 9.897 óbitos. Estados Unidos lideram essa estatística trágica com 69,8 mil mortes. O Reino Unido registrou 31,2 mil e a Itália 30,2 mil. O Brasil é o sexto país em número de mortes.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!