O caso trágico do menino Miguel que caiu do 9° andar de um prédio na cidade do Recife, Pernambuco, gerou revolta em muitas pessoas que acompanharam o caso, se sensibilizando com a doméstica. Mirtes Renata Souza fez um desabafo nesta quinta-feira (4) sobre o ocorrido com o filho e apontou uma certa irresponsabilidade da patroa. Em entrevista à TV Globo, ela disse que cuidava muito bem dos filhos da patroa, contudo, ela não teve o mesmo cuidado e paciência para cuidar de Miguel e ainda de tirá-lo do elevador no qual entrou. "No momento em que confiei meu filho a ela, infelizmente ela não teve paciência para cuidar, para tirar (do elevador)", disse.

No entanto, ela ainda reconheceu que o próprio filho era bastante teimoso. "Mas assim, é criança. Era criança", disse.

Como o acidente ocorreu

Na última terça-feira (2), a empregada doméstica Mirtes Renata Souza, tinha sua rotina diária no 5° andar do apartamento em que trabalha. Após pedido da patroa para passear com os seus cachorros, ela foi até o térreo para dar uma volta com os animais e deixou o seu filho Miguel Otávio Santana, de 5 anos, com a empregadora. No entanto, a mulher dona do apartamento, que estava cuidando do filho de Mirtes, deixou que a criança entrasse no elevador do prédio. O garoto ficou perdido, indo parar no 9° andar sozinho. O local onde ele estava, era uma área comum com os aparelhos de ar-condicionados.

Ele escalou a grade onde estavam os aparelhos e caiu de uma altura aproximada de 35 metros.

Mãe de Miguel trabalhava para mulher do prefeito

Sari Corte Real é mulher do prefeito Sérgio Hacker, da cidade de Tamandaré, Pernambuco, e foi ela, segundo Mirtes, que estava cuidando do menino. Ela foi autuada pelo crime de homicídio culposo, quando não há a intenção de matar.

A doméstica ficou revoltada pelo fato das autoridades não revelarem a identidade da mulher, porém, ela mesmo falou para quem trabalhava. Ela ainda lamentou uma possível diferença de tratamento entre ela e a primeira dama: "Se fosse eu, o meu rosto estaria estampado". Ela finalizou lamentado, outra vez, o fato do rosto da patroa não estar estampado nos jornais.

Por fim, ela insinuou que, caso fosse ela que estivesse vigiando a criança, já estaria presa.

Versão da Polícia Civil

A Polícia Civil do estado de Pernambuco disse que o motivo da não divulgação da foto da mulher autuada seria devido à nova "Lei de abuso de autoridade". A patroa foi presa em ato flagrante, porém, ao fazer o pagamento de uma fiança no valor de R$ 20 mil, foi libertada e responderá pelo seu crime em liberdade. A imprensa procurou o prefeito da cidade de Tamandaré, porém, ele não quis se manifestar. Vale lembrar que o prefeito Sérgio Hacker possui domicílio tanto em Tamandaré quanto na capital Recife. Mirtes ainda afirmou à TV Globo que ela e a avó do garoto faziam revezamento para olhá-lo, contudo, no dia em que ocorreu o acidente, a avó precisou ir até uma unidade de saúde para buscar uma receita de um médico.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!