Em um ato de respeito e reconhecimento, Cícero Hilário e Roberto Guilhermino, os guarda municipais que foram humilhados pelo desembargador Eduardo Almeida Prado Rocha de Siqueira, durante uma abordagem solicitando que o homem usasse a máscara de proteção contra o novo coronavírus, receberam medalhas de condecoração pela conduta exemplar durante uma homenagem realizada pelo prefeito de Santos, Paulo Alecandre Barbosa.

Com reconhecimento por parte da prefeitura de Santos, a cerimônia foi realizada na presença de familiares dos guardas municipais, que se emocionaram durante a homenagem.

Abordagem

O uso da máscara de proteção na cidade é obrigatório, e o não uso gera multa de R$ 100.

Ao ser abordado pela falta do uso, Eduardo se recusou, afirmando que não existia uma lei, e mesmo informado sobre o decreto continuou na negativa.

No momento em que o guarda desce do carro para aplicar a multa, Eduardo afirma ter amassado e jogado na cara de outro guarda em uma abordagem anterior e questiona se quer que ele repita o ato.

Siqueira faz uma ligação ao secretário de Saúde de Santos e diz estar sendo abordado por um "analfabeto", enquanto justifica estar sozinho na beira da praia. Ele tenta passar o telefone para o guarda, que se recusa.

Cícero Hilário

O guarda municipal Cícero Hilário conta que se sentiu humilhado diante dos filhos, pois não sabia como explicar a situação, enquanto sua filha de 15 chorava ao assistir o vídeo que circulava na internet.

Após ser homenageado e receber a medalha, Cícero estendeu a homenagem aos colegas de profissão de todo o Brasil.

Roberto Guilhermino

Guilhermino também falou sobre o ocorrido e contou que foi um momento difícil e delicado, onde a abordagem foi realizada com um cidadão bastante hostil e firmou a necessidade de agir com calma e manter a conduta durante esse tipo de situação.

Repercussão

A Associação de Juízes Federais do Brasil (AJUFE) informou em nota que repudia condutas como a do desembargador, afirmando que é inadmissível aceitar situações de abuso contra agentes públicos e atitudes que contrariem as normas estabelecidas, como o uso da máscara de proteção.

De acordo com o grupo que representa mais de 2 mil juízes federais no Brasil, não existe nenhum cidadão, independentemente de cargo, que esteja imune ao cumprimento de normas e leis no país.

O caso do desembargador Eduardo Siqueira está sendo investigado pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça), conforme determinação do corregedor, ministro Humberto Martins.

O processo que foi instaurado no Tribunal de Justiça de São Paulo deverá ser encaminhado ao CNJ para apuração dos fatos, no prazo máximo de cinco dias, conforme decisão do corregedor.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!