Camila Graciano, uma professora de 31 anos que estava grávida de oito meses, morreu em Anápolis, cidade a 55 quilômetros de Goiânia, devido ao coronavírus. A mãe precisou fazer um parto de emergência e um dia após o nascimento do bebê, no dia 22, o óbito foi confirmado. O bebê sobreviveu, no entanto, segue hospitalizado e, de acordo com os familiares, passa bem.

Gestação de risco

O irmão de Camila, Daniel Hélio Ambrósio de Lima, revelou que a irmã teve uma gestação com muitas complicações e que já se sabia que a gravidez era de risco, pois sua irmã desenvolveu diabetes gestacional, era hipertensa e estava com sobrepeso.

Ciente dos riscos, a jovem teve cuidado redobrado durante a pandemia do novo coronavírus, e evitava ao máximo sair de casa, seguindo todas as recomendações e cuidados necessários para sua Saúde e de seu bebê.

Chá de fraldas

Apesar de todos os cuidados redobrados, a jovem Camila acabou sendo contaminada pelo vírus, e seu irmão, o educador físico Daniel, acredita que a irmã pode ter contraído o coronavírus durante um chá de fraldas surpresa que os colegas de trabalho prepararam para ela na reta final da gestação.

A desconfiança em torno do chá de fraldas surgiu porque uma das amigas da gestante Camila estava contaminada, porém, como seu quadro ainda era assintomático, ela não sabia.

Sintomas

Ainda de acordo com o irmão Daniel, Camila apresentou sintomas gripais logo após a realização do chá de fraldas, e depois de conversar com seu médico obstetra foi orientada a procurar outro médico relacionado.

Camila realizou os exames e apenas dois dias depois já teve a confirmação da doença causada pelo coronavírus, tendo uma rápida piora de quadro.

No dia 17, Camila foi internada às pressas na Santa Casa da cidade, com falta de ar e dores no peito. Mesmo com os tratamentos, a gravidade de seu caso aumentou e houve a necessidade de internação na Unidade de Terapia Intensiva e intubação.

Na quinta-feira (20), a equipe médica induziu o parto para que pudessem salvar a vida do bebê, ele nasceu um mês antes do prazo, no oitavo mês de gestação.

Parto

O bebê nasceu através de uma cesariana realizada com Camila intubada. Após o parto, a professora estava muito bem e, de acordo com os médicos, reagiu muito bem ao procedimento.

A boa reação de Camila criou uma esperança na família, que ouviu dos médicos que o pulmão dela estava reagindo, já tinha dado uma boa melhorada e que os familiares deveriam ficar otimistas, pois ela sairia desta.

Piora

O quadro de saúde que vinha melhorando de repente se reverteu e Camila apresentou uma piora súbita durante a tarde de sexta-feira. O irmão diz que a situação foi como se o vírus tivesse passado por um processo de mutação e de repente tomado os pulmões de Camila sem que ela tivesse qualquer chance. Na manhã seguinte de sábado, ela faleceu.

Filha

Professora de português, Camila era apaixonada por seu trabalho e sonhava em ser mãe. Esta era a sua primeira gestação e ela aguardava ansiosa o dia do nascimento da bebê.

Camila deu à luz uma menina chamada Helena, que é vista pela família como uma parte dela que ficou para eles.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Siga a página Mulher
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!