Mais um crime bárbaro marca esta semana no Brasil. Na noite de segunda-feira (18), um jovem de 19 anos foi preso em Alegrete no Rio Grande Do Sul, suspeito de matar a pauladas o próprio filho, um bebê de 1 ano e 8 meses, porque a criança estava chorando.

Segundo os relatos da Polícia Civil, a criança foi levada ao hospital quatro dias após sofrer as agressões por ter desenvolvido um quadro de convulsões. Ao ser atendido na Santa Casa da cidade, os profissionais encontraram hematomas pelo corpo do bebê e passaram a desconfiar de maus-tratos.

Os exames realizados pela Santa Casa mostraram que, além dos hematomas recentes, o bebê apresentava lesões cicatrizadas antigas, o que indica que essa não foi a primeira vez que ele foi agredido.

Morte

Na madrugada de segunda, o menino veio a óbito com traumatismo craniano e um quadro de hemorragia cerebral. Após o comunicado da morte por parte da instituição de saúde, a polícia iniciou as investigações do caso.

De acordo com Valeriano Garcia Neto, delegado responsável pelas investigações, o pai da vítima foi detido após buscas realizadas pela cidade.

O delegado ainda informou que o suspeito teria negado crime no momento da prisão, porém, ao ser confrontado com todas as evidências, acabou confessando as agressões.

Advogado

O depoimento foi realizado na presença de um advogado, no entanto, Fábio Boeira não é o defensor do suspeito. Fábio alega que o suspeito não confessou o crime, ele admitiu ter agredido o bebê, porém, sem tamanha violência que causasse ferimentos tão graves a ponto de levá-lo a morte.

O advogado ainda confirmou que o depoimento foi realizado sem nenhum tipo de coação, em seu percurso legal e normal. O responsável pela defesa do pai ainda não foi definido.

A polícia pretende encerrar o inquérito no prazo de 10 dias e indiciar o pai da criança por homicídio qualificado, levando em consideração a forma cruel como o bebê foi agredido, a falta de ter como se defender e por se tratar do responsável pelo bem-estar da vítima.

Motivação

De acordo com o depoimento, o pai relatou que na quinta-feira (13) que ficou muito irritado com o choro do filho e partiu para a agressão física, em seguida ele foi para o campo a trabalho, retornando apenas no domingo. Márcio ficou sob os cuidados dos tios durante este tempo. Quando o homem voltou para a casa, a criança começou a sofrer convulsões e então foi levada ao hospital.

A agressão foi realizada com um pedaço de pau, no entanto, não foi encontrado como prova, pois o pai do bebê e seus irmãos moram em uma lenharia. Os tios também serão investigados, pois, mesmo tendo consciência das agressões que o bebê sofreu a ponto de confirmá-las, não prestaram atendimento imediato ao menino.

Mãe

De acordo com as autoridades, o pai teve a guarda da criança concedida pela Justiça no mês de junho deste ano, pois a mãe está sem moradia, vivendo em condições vulneráveis. Ela também deverá prestar depoimento sobre o caso.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!