Em mais uma decisão contra o avanço do novo coronavírus, a prefeitura do Rio de Janeiro determinou que os ônibus municipais circulem apenas com passageiros sentados. A medida também vale para os articulados do sistema BRT. A decisão faz parte do conjunto de medidas divulgadas nesta terça-feira (17) pelo prefeito Marcelo Crivella para conter o avanço da doença na capital.

Para que a determinação seja cumprida, Crivella sugeriu que as empresas coloquem mais ônibus em circulação. O prefeito ouviu queixas quanto à lotação dos coletivos em circulação no Rio.

A prefeitura vai multar as empresas de ônibus que deixarem de cumprir a determinação. Crivella ficou satisfeito com a redução de pessoas em trânsito. Os horários escalonados de trabalho possibilitaram redução de 60% do trânsito em algumas regiões da cidade.

O prefeito carioca aguarda resposta do governo federal quanto a ampliação do estado de emergência em todo o município. O pedido já foi encaminhado para a Secretaria Nacional de Defesa Civil. Segundo Crivella, isso possibilitará a contratação de pessoal sem a necessidade da realização de concurso público, bem como a compra de material sem licitação.

Atendimento a infectados com coronavírus

Reunido com os integrantes do Gabinete de Crise contra o coronavírus, o prefeito também anunciou medidas emergenciais para atendimento a doentes. Um hospital de campanha foi planejado para ser instalado no Riocentro. O objetivo é atender pacientes que necessitam de cirurgias eletivas de emergência. Com isso, a expectativa é a liberação de leitos para pacientes com o Coronavírus.

Esta medida só será tomada caso o número de infectados com o coronavírus em estado grave atinja 70% dos pacientes.

Medidas para conter o coronavírus

Os agentes municipais estão mobilizados para impedir aglomerações na cidade. Tal medida inibe o contágio da doença. Para isso, Marcelo Crivella anunciou o fechamento dos parques públicos municipais. As áreas de lazer, que costumam funcionar nos finais de semana, estarão proibidas.

As ruas antes fechadas para o lazer da população passam a ter a circulação normal de veículos.

A mudança imposta aos hábitos do carioca atinge também a orla marítima. A Guarda Municipal foi orientada a abordar banhistas que insistirem em frequentar as praias do Rio. Os guardas também vão atuar para impedir aglomerações de pessoas.

Com isso, a avenida Atlântica e o Aterro do Flamengo permanecem liberadas ao tráfego de veículos. Elas costumam ser fechadas para o lazer de pedestres. Também estarão fechadas as 24 vilas olímpicas da cidade.

População de rua e o coronavírus

Outra preocupação levantada durante a coletiva do prefeito refere-se ao tratamento a ser dado aos moradores de rua.

Crivella disse que ainda é cedo para tomar uma medida mais drástica. Mas não descartou a possibilidade de adotar a internação compulsória dessas pessoas.

Entretanto, Crivella anunciou que a população em situação de rua contará com kits de higiene. Eles serão distribuídos pela prefeitura do Rio. Eles também terão acesos a locais com chuveiros e pias. O prefeito disse ainda que a ação conta com parcerias, entre elas, com a Igreja Católica.

Em relação ao entendimento com o governo estadual, o prefeito do Rio recebeu críticas do governador Wilson Witzel, que realiza reuniões com os demais prefeitos do Estado.

A falta de Crivella foi sentida durante os encontros promovidos na segunda-feira.

Em sua justificativa, o prefeito carioca disse que deixou de comparecer à reunião dos prefeitos como governador por conta de compromissos com a sua agenda. Porém, disse que enviou o secretario municipal de Saúde do Rio para representá-lo.

Não perca a nossa página no Facebook!