Nesta quinta-feira (24), três países da América Latina começaram a vacinação em massa contra a Covid-19. Os primeiros países foram a Costa Rica, o Chile e o México, enquanto isso o Brasil continua sem previsão oficial de quando começará a campanha de imunização contra a Covid-19.

Os laboratórios Pfizer/BioNTech forneceram as primeiras 10 mil doses da vacina ao Chile, tendo como primeira pessoa a ser vacinada uma auxiliar de enfermagem de 46 anos a tomar a primeira dose contra o coronavírus. O Chile assinou um contrato de compra de 10 milhões de doses da Pfizer e iniciará atendendo aos profissionais da saúde que comumente são aqueles que se encontram na linha de frente.

O presidente chileno, Sebastián Piñera, acompanhou a chegada do primeiro lote no aeroporto da capital e afirmou que "quando alguém toma a vacina, protege a todos que ama".

México recebe 3.000 doses da vacina contra Covid-19

No México chegaram cerca de 3.000 unidades da vacina contra a covid-19 entregue pela Pfizer, na última quarta-feira (23). A primeira dose foi destinada a uma enfermeira mexicana, María Irene Ramírez, de 59 anos, que afirmou estar um pouco nervosa, mas esperançosa. Ela ressaltou que esse foi um grande presente e que está animada para seguir em frente na guerra contra o coronavírus.

Segundo o chanceler Marcelo Ebrard, esse momento inicia o fim da pandemia no país que já enterrou 120.311 vítimas da doença, sendo colocado no ranking como o quarto país do mundo com maior número de óbitos ficando atrás apenas dos Estados Unidos, Brasil e Índia respectivamente.

Costa Rica: mulher de 91 anos recebe primeira dose

O presidente da Costa Rica destacou que seu país vive um momento 'muito importante'. No lar de idosos da região, a contemplada em receber a primeira dose da vacina foi uma senhora de 91 anos, nesta quinta-feira (24).

No geral, na América Latina e no Caribe, cerca de 490 mil pessoas faleceram em decorrência da doença com mais de 14 milhões de infecções pelo novo coronavírus.

Sputnik V: Vacina russa contra o coronavírus

Na última quarta-feira (23), a Argentina obteve autorização para iniciar o uso emergencial da vacina de imunização contra a infecção provocada pela Covid-19. E, nesta quinta-feira, o país recebeu um carregamento de 300 mil doses da vacina Sputnik V, originária da Russia, e que começará a ser aplicada na próxima semana, segundo anúncio feito pelo governo de Alberto Fernández.

O número do mortos por coronavírus na Argentina é de 42.314. Atualmente o país soma 1.563.865 de casos registrados.

AstraZeneca: Vacina é uma parceria da Fiocruz e Oxford

O Ministério da Saúde do Brasil informou que a vacina AstraZeneca começará a ser entregue a partir do dia 8 de fevereiro. Contudo, o secretário do Ministério afirmou que o Brasil ainda não fechou acordo para comprar vacinas americana e destacou que os negócios entre o Brasil e a Pfizer está avançado e o contrato está em processo de finalização para aquisição de 8 milhões de doses.

Brasil receberá cerca de 150 milhões de doses no primeiro semestre

Na última terça-feira (22), a Câmara anunciou por meio do secretário Arnaldo Medeiros que a pasta receberá pelo menos 150 milhões de doses logo no primeiro semestre de 2021.

As doses das vacinas serão adquiridas também do Instituto Butantã (46 milhões) e da AstraZeneca (100,4 milhões).

Segundo Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, a previsão para começar a vacinação será no final de fevereiro, na pior das hipóteses. Mas, ressaltou que todo o ministério e governo estão trabalhando insistentemente para obter de várias matizes e assim entregar o mais rápido possível para imunizar a população brasileira contra o coronavírus.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!