O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, foi entrevistado nesta quarta-feira (13) pelo "Jornal da Record", da Record TV, após receber alta do hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde passou por cirurgia. Durante a entrevista, Bolsonaro informou que irá decidir sobre a proposta final de reforma da Previdência ainda nesta quinta (14).

Segundo o presidente, provavelmente a idade mínima para a aposentadoria da mulher será 57 ou 60 anos e para homens 62 ou 65 anos.

Publicidade
Publicidade

Mas salienta que pode haver mudanças e que depende das discussões com o Congresso.

Bolsonaro destacou que não gostaria de ter que fazer a reforma, porém é preciso ou do contrário o país vai “quebrar” em 2022 ou 2023. Caso permaneça a idade mínima de 57 e 62, o presidente afirma que só se fará necessária uma transição gradativa. Mas se ficar em 60 e 65 a transição ocorrerá apenas em 2030/2032.

Os militares da esfera Federal, Estadual e Municipal entrarão na reforma, incluindo as Forças Armadas e civis.

Publicidade

Destacou que é importante que toda a sociedade faça parte do processo de melhoria da economia do Brasil, inclusive para aqueles que compõem o quadro do Governo Federal. Em relação aos funcionários do governo, o presidente Bolsonaro informou que deve ocorrer por meio de um projeto de Lei que não está relacionado com a Previdência Social.

Policiais e bombeiros eleitos para Câmara geram resistência

Capitão Augusto (PR-SP), presidente da Frente Parlamentar da Segurança Pública, afirmou que os 21 policiais e bombeiros eleitos para a Câmara não gostaram da ideia de inserir suas categorias ao regimento das Forças Armadas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Alegam que o aumento do tempo de serviço para 35 anos só deve valer para aqueles que ingressarem nas corporações após a reforma.

Contudo, integrantes da equipe de Paulo Guedes, ministro da Economia, receberam do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a resposta de que as novas regras de aposentadoria “não tem chance de prosperar” no plenário.

Segundo Augusto, o ministro não os ouviu antes de elaborar e apresentar o projeto de inclusão, não forneceu "nenhuma procuração" para que negociassem pelos bombeiros e policiais civis.

Contudo, o presidente Jair Bolsonaro deixou claro nesta quarta-feira (13) que todos farão parte da reforma tendo em vista as mesmas regras para civis e militares. A Reforma para esta categoria será semelhante a dos demais brasileiros.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo