As cotas do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação de Patrimônio do Servidor Público (Pasep) já se encontram disponíveis aos trabalhadores brasileiros com Carteira Profissional assinada no período de 1971 a 1988 que ainda não retiraram o recurso. A autorização deste benefício, desde segunda-feira, 19, consta na Medida Provisória 889/2019. O PIS, na Caixa Econômica, refere-se aos trabalhadores das empresas privadas.

O Pasep, no Banco do Basil (BB), atende funcionários de órgãos públicos, das esferas municipais, estaduais e federal.

Esses programas, conforme a Caixa Econômica Federal, colocam cerca de R$ 22,8 bilhões à disposição dessa parcela da população brasileira. Ainda conforme a Caixa, cerca de 10,4 milhões de trabalhadores podem tirar esse dinheiro na agência bancária. Os recursos deverão injetar até R$ 18,3 bilhões no mercado brasileiro. Já o Banco do Brasil (BB) dispõe do valor de R$ 4,5 bilhões, pertencentes a 1,522 milhão de cotistas do Pasep.

Caixa deve pagar PIS para 10,4 milhões de trabalhadores

Trabalhadores com idade acima de 60 anos poderão sacar os créditos a partir do dia 26 de agosto. Os que tiverem até 59 anos terão de aguardar até dia 2 de setembro para obtenção dos recursos. O valor médio das cotas é de R$ 1.400.

Em sua página na internet, a Caixa Econômica Federal informa que a autorização dessas retiradas monetárias estão previstas na Medida Provisória (MP) 889/2019, dispondo dos saques do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Pela instituição, o saque pode ser feito, desde que o trabalhador ainda não tenha retirado o total desses benefícios.

Em caso de cotista falecido, os dependentes podem dispor do recurso, apresentando os seguintes documentos: certidão ou declaração de dependentes habilitados à pensão por morte, expedida pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS); atestado da instituição pagadora para servidores públicos; licença judicial, autorizando o sucessor ou representante legal, informando o benefício que se refere, e documentos identificando o representante legal (na falta da certidão de dependentes habilitados).

Escritura Pública de Inventário e Partilha (Judicial ou Extrajudicial), também é uma exigência deste processo. Havendo consenso entre os sucessores, o levantamento do saldo não precisará de inventário ou da autorização do juiz, observando apenas um termo declarando não haver outros sucessores conhecidos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo