Na última terça-feira (16), a Segunda Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) começou a analisar os pedidos de suspeição da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra Sergio Moro, ex-juiz que atualmente ocupa o cargo de ministro da Justiça.

O julgamento dos três pedidos será realizado por meio do plenário virtual do STF. Os ministros registrarão o seu posicionamento de maneira remota, fazendo uso de um computador, e vão se reunir de maneira presencial somente para debater e tomar uma decisão.

A votação supracitada terá início na sexta-feira (16) e terminará somente na quinta-feira da próxima semana (22).

De acordo com as regras desse tipo de votação, o relator, Edson Fachin, será o primeiro a ter o voto inserido no sistema. Depois disso, os demais deverão votar dentro do prazo estipulado. Até que a votação seja finalizada, qualquer um dos ministros pode pedir “destaque” e, desse modo, a discussão será levada para o âmbito presencial.

Os pedidos do ex-presidente Lula contestam as ações de Moro no que se refere â condução dos processos que tramitam na 13ª Vara da Justiça Federal em Curitiba. Ambos os pedidos estão ligados às apurações do suposto repasse de propina por meio da Odebrecht a Lula, que teriam ocorrido no ato da compra de um terreno para o Instituto Lula.

Entenda os pedidos

No referido processo, o Ministério Público afirmou que a construtora em questão comprou um terreno no valor de R$12 milhões de reais para que a nova sede do Instituto fosse construída.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Sergio Moro Lula

No atual pedido, os advogados estão contestando a autorização concedida para a realização da perícia em alguns documentos, que foram mantidos em caráter de sigilo durante todo o processo e, portanto, não houve uma oportunidade para que a defesa do ex-presidente contestasse tais documentos.

Além disso, um dos pedidos está ligado ao processo que acusa Lula de receber propinas ligadas à reforma do sítio de Atibaia, propriedade que é atribuída ao ex-presidente da República.

Em decorrência desse processo, Lula foi condenado em primeira instância a cumprir pena de 12 anos e 11 meses por lavagem de dinheiro e também por corrupção passiva. Até o presente momento, o caso está sendo analisado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Durante o pedido, a defesa afirma que existem elementos suficientes para comprovação da perda de imparcialidade de Sergio Moro no que tange ao processo contra o ex-presidente.

De encontro a isso, os advogados de Lula chegam a citar a autorização, cuja fundamentação foi descrita como esdrúxula, para que condução coerciva do ex-presidente acontecesse, ainda em 2016.

Além disso, também foi questionado o grampeamento das conversas de Lula com os seus advogados, bem como a revelação de algumas conversas do ex-presidente com Dilma Rousseff, que ocupava a presidência na ocasião.

Quando consultada a respeito dos pedidos, a assessoria de Sergio Moro afirmou que ele não se pronunciaria a respeito dos pedidos da defesa de Lula.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo