A economia do Brasil tem apresentado várias oscilações nos últimos meses: há dados estatísticos mostrando que algumas coisas vão bem e outras tendem para uma descendente. Não se descarta que estejam ocorrendo variações conjugadas, isto é, há coisas boas e ruins acontecendo simultaneamente.

É o que se pode deduzir diante dos novos números publicados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que medem o ritmo da conjuntura do trabalho e o nível de emprego no trimestre considerado até agosto deste ano.

A indecisão entre otimismo e preocupação pelo quadro de desemprego é explicada da seguinte forma: existe um pouco de alívio porque a taxa de desemprego no terceiro trimestre de 2019 caiu para 11,8%. Transportando para a realidade: 12,6 milhões de pessoas estão desocupadas ou com o objetivo de voltarem a ser incorporadas pelo mercado de trabalho. Em comparação com o segundo trimestre, encerrado em maio deste ano, houve diminuição. Antes, o desemprego medido no segundo trimestre era de 12,3%.

Uma lupa para ver melhor

Isso é bom até certo ponto, pois a notícia, ainda que tenha um aspecto benéfico, indica que é necessário fazer muito.

A limitação da notícia boa esbarra num dado preocupante: o aumento do trabalho informal. Essa foi a principal fatia da sociedade responsável pela queda da taxa do desemprego.

De acordo com o Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) do IBGE, criaram-se 684 mil Vagas, incrementando para 93,6 milhões o total de pessoas empregadas. É o melhor registro desde 2012. Porém, dentre essas novas vagas, quase 87% ingressaram pela via da informalidade.

Assim, existe o total de 38,8 milhões de trabalhadores que não contribuem oficialmente para o INSS --por isso, é o que se denomina de trabalho informal.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Vagas Tendências

Composição da informalidade

O grupo dos informais é composto principalmente por aqueles segmentos que não possuem carteira de trabalho assinada, os que não possuem registro de CNPJ (pessoa jurídica não-oficial) e os que não têm remuneração (ajudam em atividades para a família, por exemplo).

Para se ter uma ideia, as pessoas que trabalham sem carteira chegam a 11,8 milhões e aqueles que trabalham por conta própria atingem o patamar de 24,3 milhões.

Uma das consequências dessa desigualdade entre trabalhadores formais e informais está na falta de contribuição para o tempo de serviço/aposentadoria.

O IBGE calculou que apenas 62,4% da população ativa recolhe para a previdência oficial. Este seria um importante dado que denota um aumento do deficit da Previdência Social, porque se há mais gente informal do que formalmente empregada, a arrecadação diminui.

Melhores áreas de atuação

A indústria e a construção civil são os ramos de atividade que dão um certo alento na geração de empregos. O desempenho do setor industrial foi positivo no trimestre passado, repetindo esse novo aumento em 2,3%. Por sua vez, o ramo da construção começou a "sair do buraco" neste terceiro trimestre (até agosto), com índice positivo de 2,8%.

Contudo, os técnicos do IBGE afirmaram que ainda é cedo para aclamar uma recuperação da economia nacional.

Outro sopro de alívio vem das pequenas e médias empresas, conforme levantamento feito pelo Sebrae: das 121 mil vagas abertas somente no mês de agosto, mais de 95 mil foram criadas pelas micro e pequenas empresas. Neste caso específico, o Sebrae foi buscar outro indicador que mede o aquecimento ou não do mercado de trabalho, o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), editado pelo Ministério da Economia.

Já as grandes e médias corporações ainda estão com o "freio de mão puxado", pois criaram somente 25% dos 95 mil postos.

Para os dirigentes do Sebrae, foi o melhor mês de agosto dos últimos cinco anos e a euforia é contínua, uma vez que os números vindos desse segmento de trabalho só sobem a cada mês, acarretando a geração de trabalho e, por conseguinte, a geração de renda.

Isto pode significar uma esperança para outro segmento social no tocante ao trabalho: os desalentados. Essa parcela da população é representada por 4,7 milhões que desistiram de procurar emprego.

Para eles, a taxa de desemprego recuou 3,9%, a primeira diminuição desde 2014.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo