Em 2018, 13,537 milhões de pessoas vivam em situação de miséria no Brasil, de acordo com dados da Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatístico (IBGE), tendo como base o período de 2012 a 2018.

A pesquisa divulgada na última quarta-feira (6) ainda revela que o Brasil possui um número de miseráveis equivalente a toda a população de países como a Bolívia, Cuba, Bélgica, Grécia ou Portugal.

O estudo apontou ainda que ao menos 1 milhão de brasileiros passaram anualmente a viver abaixo da linha da pobreza de 2015 a 2018. A extrema pobreza, de acordo com o Banco Mundial, engloba as pessoas que vivem com uma renda inferior a US$ 1,90 por dia. Convertendo para a moeda brasileira, a soma equivale a cerca de R$ 145 mensais, tendo como base o método de Paridade de Poder de Compra (PPC), que considera a quantia necessária para a compra de itens básicos em cada país.

Levando em consideração a realidade brasileira e programas de assistência, como o Bolsa Família, que atende famílias com renda mensal de R$ 89,01 a R$1 78,00 e que entre os seus integrantes possuam crianças ou adolescentes de até 17 anos, o número de pessoas que utilizam diminuiu nos últimos anos, entretanto, desde a crise financeira e política que teve início em 2015, o número de pessoas em extrema pobreza só tem aumentado, segundo o IBGE. Nestes quatro anos, 4,504 milhões de brasileiros passaram a viver na miséria.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Etnia, falta de acesso a serviços básicos e desigualdade

Dos brasileiros que passaram a viver na miséria, 75% eram de negros e pardos em 2018, e no grupo de pessoas que vive abaixo da linha de pobreza, eles também são maioria. Das 52, 5 milhões de pessoas que vivem nesta condição –um total de 25,3% da população– 72,7% são negros ou pardos. A pesquisa ainda índica que no período anterior à crise, no período chamado de pré-crise, o Brasil possui mais 6,706 milhões de pessoas na pobreza.

O estudo aponta a falta de acesso a serviços básicos para a vivência por parte da sociedade brasileira, que sofre com a falta de saneamento básico, educação e internet. Assim, 37,2% não possuem acesso a saneamento básico; 27,6% à educação; 20,1% à internet; 12,8% à moradia; 3,1% à proteção social e 10,6% a, pelo menos, três dos itens citados.

Com este cenário, a desigualdade também cresceu, chegando a um dos maiores índices da história.

A pesquisa do IBGE aponta que o rendimento das pessoas com maior poder aquisitivo, que representam 10% da sociedade, foi 13 vezes mais dos que os mais pobres, que representam 40% da população.

A diferença numérica se deve a um fator: os rendimentos dos mais ricos aumentou em 2018, enquanto o dos mais pobres sofreu uma queda, o que levou a esta diferença. Além de todos os problemas sociais já conhecidos que a pesquisa trouxe a tona, ela demonstrou uma outra questão que é pauta de diversas conversas a diferença salarial por etnia e por gênero: os brancos ganham 73,9% a mais do que negros ou pardos em 2018, enquanto homens ganham, em média, 27,1% a mais do que mulheres.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo