A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) foi destituída do comando da liderança do Governo no Congresso após decisão do presidente da República, Jair Bolsonaro. A decisão ocorreu nesta quinta-feira (17), em meio a uma crise interna no PSL.

O presidente optou por substituir Joice pelo senador Eduardo Gomes, do MDB de Tocantins. Após ter sido destituída do cargo, a deputada se manifestou na mídia e garantiu que saía de sua função com a sensação de dever cumprido.

Em entrevista cedida ao colunista Chico Alves, do UOL, Joice demonstrou não se intimidar com as críticas que vem recebendo nas redes sociais e denunciou o que ela denominou de "milícia digital" pró-Bolsonaro.

Segundo Joice, os Bolsonaro têm uma milícia virtual composta por pessoas de várias partes do Brasil. "Eles têm uma milícia virtual e todo mundo sabe disso", disse. Algumas dessas pessoas, segundo a deputada, recebem para isto, e outras não. Joice diz acreditar que também há robôs envolvidos nessa milícia digital e afirma que não se importa com as críticas que recebe nas redes sociais.

Joice afirmou ainda que os ataques da "milícia digital" pró-Bolsonaro não se sustentam e destacou que já recebeu o prêmio de pessoa mais influente no ambiente digital por cinco anos, pois, segundo ela, seus seguidores são orgânicos e não robôs, como ela supôs ser os dos Bolsonaros. "Porque eu não tenho robô, não tenho milícia, meu alcance é orgânico, não é aquela milícia maluquinha, Bolsonaros e aliados", afirmou a deputada.

Joice confirma candidatura à prefeitura de SP

Ao ser questionada pelo colunista Chico Alves se a candidatura à prefeitura de São Paulo estaria ainda de pé, Joice respondeu que sim. Ela foi otimista ao afirmar que a prefeitura de São Paulo seria sua, pois, segundo ela, quando alguém "puxa o seu tapete" na tentativa de derrubá-la, ocorre o contrário, "cai para cima".

Para Joice, a destituição da liderança do governo é interpretada como um "castiguinho" que Bolsonaro deu, por ela se manifestar a favor do deputado Delegado Waldir (GO). É como se dissessem "vou dar um castiguinho nela", disse a deputada.

A deputada Joice Halsselmann afirmou ainda durante entrevista ao colunista do UOL que não assinou a lista contra o deputado Delegado Waldir porque seria uma traição.

Ela assinou a lista que era favorável ao Delegado, contrariando desta forma Bolsonaro. Segundo Joice, o próprio Eduardo Bolsonaro havia defendido o nome de Waldir no início do ano e afirmou que deu sua palavra que iria apoiar Waldir até o final do ano. Para Joice, o deputado Eduardo Bolsonaro não é respeitado pela bancada, e por conta disso não obteve a maioria dos nomes assinados na lista que foi apresentada por ele.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!