O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta terça-feira (7) em uma entrevista ao programa "Brasil Urgente", da TV Bandeirantes, que o aplicativo Caixa Auxílio Emergencial já teve mais de 17 milhões de acessos. O aplicativo pode ser baixado de maneira gratuita e está disponível tanto para iOS quanto para Android, o app é usado para fazer a inscrição para receber a ajuda de R$ 600 que está sendo dada pelo Governo.

O ministro da Cidadania se empolgou na entrevista ao comentar o número expressivo de acessos que teve o aplicativo. Ele informou também que já foram validados por volta de 10 milhões de pessoas nas primeiras 7 horas que ele foi disponibilizado.

Ele ainda comentou sobre as mais de 380 mil ligações, disse Lorenzoni.

Sites falsos

O ministro da Cidadania também falou sobre os sites falsos que foram criados para o roubo de informações e aplicação de golpes em pessoas interessadas em se cadastrar para receber o auxílio. Onyx Lorenzoni informou que a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) foi mobilizada pelo governo para prender os autores destes esquemas.

Polícia para quem precisa

O ministro assegurou que a Polícia Federal já está em alerta sobre esta situação e que além de derrubar o site, quem for pego cometendo este crime irá para a cadeia, disse Lorenzoni. Segundo o ministro, somente no último fim de semana esses sites falsos foram acessados por mais de 4 milhões de vezes.

Segundo levantamento feito pelo governo, pelo menos 170 mil pessoas foram vítimas do golpe e ainda tiveram suas informações pessoais roubadas.

Foi disponibilizado pelo governo federal o número de telefone 111 para que sejam esclarecidas quaisquer dúvidas sobre o benefício. Os correntistas do Banco do Brasil ou que tenham poupança na Caixa Econômica Federal, provavelmente já receberão esta ajuda do governo já na quinta-feira (9), declarou o ministro.

Dívida no banco

Em outra declaração, também na terça-feira, Onyx Lorenzoni garantiu que não irá haver nenhum tipo de débito na conta de quem receber o “Coronavoucher”, (o apelido que a ajuda dada pelo governo no período de três meses recebeu). Lorenzoni contou que foi feito um acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) que permite que a parcela recebida do auxílio emergencial não seja mexida pelo banco.

A declaração no ministro da Cidadania acontece após o aparecimento de alguns avisos no aplicativo que informava que o cliente poderia ter alguma perda nos R$ 600 do auxílio emergencial. Os técnicos da Caixa explicaram que será feita uma atualização no sistema que irá excluir esse aviso.

Febraban

A organização divulgou nota em que confirma que fez um acordo com as instituições bancárias para que esta quantia que será dada pelo governo seja depositada em uma conta separada da conta principal do cliente, porém vinculada a ela.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!