Um controle padrão de mercadorias importadas foi realizado por profissionais na China em uma carga de carne de frango congelada proveniente do Brasil. A averiguação detectou que as mercadorias apresentaram a presença do novo coronavírus em algumas amostras de asinhas de frango. As autoridades chinesas divulgaram os resultados nesta última quinta-feira (13).

Além das amostras de frango brasileiras contaminadas, o país asiático acabou encontrando a presença do novo coronavírus em algumas embalagens de camarões provenientes do Equador, no entanto, este caso não é isolado, sendo a segunda vez que isto acontece no último mês.

Exames

A prefeitura da cidade de Shenzhen, próxima a Hong Kong, foi a responsável pela realização do comunicado. O Brasil é considerado hoje o maior produtor e exportador mundial de carne de frango.

Segundo informações das autoridades locais, todas as pessoas que acabaram tendo um contato direto com o produto brasileiro contaminado, assim como todos os seus familiares, foram submetidos a exames para detectar um possível contágio pelo coronavírus, no entanto, os resultados mostraram que ninguém foi contaminado.

Exportação brasileira

O anúncio chinês a respeito da contaminação do frango brasileiro pode resultar em um problema de questão econômica para o Brasil, ocasionando em uma nova diminuição na quantidade de exportação de carne de frango brasileira para o país.

Registros mostram que até o ano de 2017, o Brasil era o principal fornecedor de frango congelado para a China. No entanto, no decorrer dos últimos anos o Brasil acabou perdendo uma boa parcela do mercado chines para a concorrência de outros países. De acordo com o controle e informações da consultoria de Zhiyan, entre os novos fornecedores estão a Argentina, Tailândia e o Chile.

Camarões

O caso dos camarões aconteceu na província de Anhui, onde as autoridades informaram que haviam encontrado a presença de contaminação do novo coronavírus também nas embalagens de fruto do mar vindas do Pacífico. O vírus foi localizado em alguns lotes guardados dentro de um freezer em um dos restaurantes de Anhui.

Neste último mês a China já registrou o problema de contaminação nos lotes de camarões provenientes do Equador, pela segunda vez.

A primeira vez em que constataram a presença do vírus foi no dia 10 de julho deste ano, quando a equipe responsável da Alfândega chinesa executou testes rotineiros em um dos contêineres que trazia a carga dos camarões-brancos. Após a realização dos testes, os resultados indicaram a presença do novo coronavírus nas embalagens.

Coronavírus

De acordo com os registros mundiais, a presença do coronavírus foi descoberta pela primeira vez na China, embora a pandemia tenha causado uma crise mundial apenas este ano, o vírus surgiu já em 2019. Conforme as autoridades, o país asiático teve sucesso conseguindo controlar a pandemia, através de grande medidas de combate à pandemia, porém ainda existe a presença do coronavírus no país.

Os últimos números divulgados, registraram até quinta-feira (13), uma média baixa de 19 casos com resultados positivos diários, no entanto, desde o mês de maio deste ano, o país asiático não registra mais óbitos causados pela doença da covid-19.

Na última quarta-feira, uma moradora da província de Hubei, de 68 anos, voltou a ser hospitalizada após ter sido considerada "curada" pela equipe médica logo no início deste ano. A província de Hubei foi a primeira região onde registraram casos de contaminação por coronavírus.

Apesar da existência de contaminação em produtos importados pelo país, não existe até o momento nenhum estudo científico devidamente concluído que comprove que a possível ingestão destes alimentos possam resultar em casos de contaminação humana.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Siga a página Negócios
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!