Marcos Vieira, conhecido como Marcão, morreu na sexta-feira (26) no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA) de coronavírus.

A morte de Marcão deixou a comunidade do jiu-jitsu em luto. Com apenas 36 anos o atleta realizava trabalhos com iniciantes na modalidade e incentivava a prática do esporte entre as crianças em Santarém.

Marcão foi contaminado pelo novo coronavírus e internado no Hospital Regional do Baixo Amazonas para receber o tratamento. Com um quadro mais grave, o atleta lutava pela vida, mas infelizmente não resistiu e veio a óbito na última sexta-feira.

Logo após o anúncio da morte de Marcos Vieira, amigos e alunos de Marcão demonstraram comoção e homenagearam o atleta e professor nas redes sociais.

A morte de Marcão contraria os argumentos que defendem que pessoas jovens e atletas não desenvolvem casos mais graves da doença, como chegou a ser mencionado inclusive pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, em rede nacional.

O coronavírus não escolhe cor, raça, sexo, classe social ou idade. A pandemia veio atingindo a todos sem distinção, destruindo sonhos e famílias. O atleta Marcos Vieira é mais uma vítima entre as mais de 50 mil pessoas que perderam a vida por conta do novo coronavírus.

De acordo com informações do Globoesporte.com, que conversou com pessoas próximas do atleta de jiu-jitsu, Marcão foi definido como uma pessoa muito divertida, cheio de vida, em plena juventude, e deixa familiares amigos e alunos.

Devido às exigências relacionadas ao protocolo de Saúde do decreto municipal de Santarém, Marcos Vieira não será velado.

Velório e enterro de vítimas de Covid-19

De acordo com as recomendações do Ministério da Saúde, em caso de falecimento por coronavírus a pessoa pode ser cremada ou enterrada, porém velórios que causem aglomeração de pessoas não são recomendados.

Em Santarém, cidade brasileira do estado do Pará, região onde o atleta faleceu, a orientação em casos confirmados é de que não haja velório. Caso a família opte por realizar a cerimônia, os protocolos de segurança devem ser seguidos à risca.

O caixão deve ficar fechado o tempo todo e nenhum contato com o corpo deve acontecer após a morte.

O ambiente deve ser ventilado e em área aberta.

Álcool em gel, máscara e distanciamento social de dois metros são regra. A distribuição de alimentos e contato direto entre os presentes também é proibida.

No caso de Marcão, o velório não acontecerá e a data de sepultamento não foi confirmada.

Casos de Covid-19 no Brasil

De acordo com as últimas informações, o Brasil registra 1.315.941 casos confirmados, 57.103 óbitos e 715.905 casos recuperados.

O estado do Pará, região onde o atleta residia, registra 99.313 casos confirmados, e 4.834 mortes.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Siga a página Opinião
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!