A União Europeia se reuniu nesta terça (5) para assinar a declaração que reconhece Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela. Contudo, dos 25 países, apenas 19 participaram. Essa atitude é consequência da recusa de Nicolás Maduro em dar início ao processo eleitoral necessário para reestruturação da democracia na Venezuela.

Federica Mogherini, vice-presidente da Comissão Europeia, afirmou que o reconhecimento de Guaidó depende dos países membros.

Ela ressaltou que existe uma posição clara e consolidada entre os membros da UE quanto à situação no país.

A declaração ressalta que houve um pedido no dia 26 de janeiro para que fossem convocadas as eleições presidenciais democráticas, no prazo de oito dias, mas Nicolás Maduro não se prontificou a atender à solicitação. O objetivo é forçar eleições presidenciais livres que reconheça a importância da democracia negada por Nicolás Maduro.

Este fato, atrelado a autoproclamação de Juan Guaidó, culminou em reconhecimento por parte dos membros da União Europeia, a qual analisou os preceitos da Constituição venezuelana.

Juan Guaidó se autoproclamou presidente da Venezuela no dia 23 de janeiro e foi reconhecido por Donald Trump, presidente dos Estados Unidos.

Pedido de ajuda aos EUA

A população venezuelana tem passado por momentos difíceis, isso fez com que o Governo recorresse à ajuda humanitária dos Estados Unidos, que prontamente respondeu ao pedido, através de John Bolton, conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, que em entrevista salientou que o país norte-americano "não deve ser testado" pelo governo de Maduro.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Em nota, ele também enfatizou que "todas as possibilidades estão postas na mesa".

A pasta informou que serão fornecidos medicamentos, materiais cirúrgicos e suplementos nutricionais para a população venezuelana. Porém, com Nicolás Maduro no controle da Venezuela, supõe-se que a ajuda não chegue à população. Segundo rumores deste dia (5), é possível que haja roubo da mercadoria doada.

Donald Trump reafirmou que está na hora de Nicolás Maduro "sair do caminho" e que a opção militar na Venezuela está sobre a "mesa". Ao que os simpatizantes de Maduro afirmam estar prontos para o confronto.

Crise na Venezuela

Segundo a ONU, a severa crise socioeconômica e política da Venezuela fez com que surgisse a hiperinflação e a escassez de alimentos, água e medicamentos. Esse fator levou cerca de 2,3 milhões de venezuelanos ao êxodo, desde que começou em 2013. A queda do Produto Interno Bruto (PIB) nacional e per capita é considerado mais grave do que a Grande Depressão nos Estados Unidos em 1929, quando houve a queda da Bolsa de Valores.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo