Durante a tarde da última quinta-feira (5), três dos policiais envolvidos no assassinato de George Floyd, ocorrido na cidade de Minneapolis, Estados Unidos, foram presos. Após os fatos destacados, J. Alexander Keung, Thomas Lane e Tou Thao compareceram ao tribunal e tiveram o valor de suas fianças estabelecido.

Thomas Plunkett, o advogado responsável pela defesa de Keung, chegou a citar uma frase que o seu cliente disse aos demais envolvidos no crime. Durante a audiência de fiança, Plunkett destacou que o seu cliente foi contrário às agressões a George Floyd e disse aos companheiros que eles não deveriam agir dessa forma.

Além disso, o advogado de defesa também afirmou que no mesmo dia em que Floyd foi morto, Keung estava em seu terceiro turno de trabalho na Polícia. Devido aos fatos destacados, Thomas Plunkett pediu ao juiz para que a fiança de seu cliente fosse determinada em 200 mil dólares (o equivalente a R$ 1 milhão).

Também se mostra válido destacar que o advogado de Thomas Lane chegou a pedir ao juiz para que estabelecesse um valor razoável para a fiança do policial. De acordo com o defensor do policial, Lane teria tentando performar uma ressuscitação cardiopulmonar em George Floyd. Além disso, o advogado de defesa também alegou que Thomas Lane estava na corporação há apenas quatro dias quando tudo aconteceu.

Entretanto, é possível destacar que tanto Llane quanto Keung foram responsáveis por imobilizar Floyd, segurando os seus braços e pernas. Os dois chegaram a ouvir da vítima que ela estava prestes a morrer, mas continuaram segurando-o mesmo assim.

Da parte de Robert Pauley, o advogado de Tou Thao, é possível afirmar que ele pediu o mesmo valor de fiança recebido por Alexander Keung, 200 mil dólares.

Para corroborar os seus argumentos, ele chegou a citar que policial cooperou com a investigação do crime.

Juiz estabelece fiança de policiais em US$ 1 mi

Apesar de toda a argumentação dos advogados dos três policiais, o juiz responsável pela fiança, Paul Scoggin, determinou que cada um dos policiais precisaria pagar 1 milhão de dólares (o equivalente a 5,1 milhões de reais na atual cotação) para responder ao processo em liberdade.

Entretanto, esse valor poderia abaixar para US$ 750 mil sob algumas condições, também pré-determinadas pelo magistrado em questão. Durante a audiência, Scoggin também deixou claro que nenhum dos três policiais poderá voltar ao trabalho e destacou que as suas armas devem ser entregues à corporação. Além disso, o seu porte de armas será anulado.

Por fim, se mostra válido destacar que Paul Scoggin também estabeleceu que nenhum dos envolvidos na morte de George Floyd terá direito a ter contato com a família da vítima caso paguem a fiança e, caso venham a deixar o estado, concordarão em renunciar à extradição.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!