Jair Bolsonaro encontra-se na cidade de Davos, na Suíça, onde participa do Fórum Econômico Mundial. Na manhã desta quarta-feira (23), ele concedeu uma entrevista à agência de notícias Bloomberg, sendo questionado sobre as acusações que Flávio Bolsonaro vem sofrendo. "Se por acaso ele errou e isso for provado, lamento como pai, mas ele terá de pagar o preço por esses atos que não podemos aceitar", disse o presidente.

A Bloomberg afirma, em sua reportagem, que as investigações têm o risco de "minar a agenda anticorrupção do presidente". Isso porque o tema teve grande notoriedade durante a corrida presidencial do ano de 2018, pelo então candidato do PSL, sobretudo envolvendo o nome do Partido dos Trabalhadores, bem como de suas principais figuras, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que responde processo por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, estando detido na sede da Polícia Federal em Curitiba.

Movimentações financeiras 'atípicas' apontadas pelo Coaf

O nome de Flávio ganhou as manchetes dos jornais do país nas últimas semanas, desde que foram divulgadas movimentações financeiras consideradas "atípicas", na ordem de R$ 1,2 milhão, em conta pessoal de seu ex-assessor Fabrício Queiroz. O registro foi feito pelo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf).

Em seguida, o Jornal Nacional, da TV Globo, revelou que o mesmo órgão fiscalizador encontrou 48 depósitos em espécie, na quantia de R$ 2 mil, no período entre junho e julho de 2017, nas contas bancárias de político.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

O senador eleito, em sua defesa, afirma que a quantia é referente à venda de um imóvel localizado no Rio de Janeiro, tendo sido inclusive confirmada tal alegação pelo ex-atleta Fábio Guerra, o qual teria feito a aquisição da cobertura, localizada em Laranjeiras.

Suposta ligação com milicianos

A segunda acusação que é levantada contra o filho do Jair Bolsonaro diz respeito ao seu suposto envolvimento com os milicianos, alvos da Operação Intocáveis, deflagrada nesta terça-feira (22), em ação conjunta do Ministério Público do Rio de Janeiro e a Polícia Civil.

Mãe e esposa de um dos acusados de integrar o chamado "Escritório do Crime" --grupo de milicianos que exerciam uma série de atividades ilegais envolvendo extorsão na região onde agiam-- foram contratadas pelo gabinete de Flávio, na época em que ainda era deputado estadual. Em sua defesa, o político afirma que não teria sido ele quem fez as contratações.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo