A última temporada do programa de humor Tá no Ar, na Rede Globo, começou nesta terça-feira (15). Logo na estreia, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi alvo de uma sátira mais do que especial. A vila do Chaves, seriado que fez história na TV brasileira ao ser exibida pelo SBT, tornou-se a "vila militar".

O personagem Bolsonaro foi interpretado pelo ator e apresentador Marcelo Adnet. Durante o período eleitoral, Adnet gravou paródias para O Globo imitando todos os candidatos à Presidência da Repúblic, e alguns candidatos a governador de estados como Rio de Janeiro e São Paulo.

Publicidade
Publicidade

Os vídeos estão no canal do jornal no YouTube.

Na paródia exibida pela Rede Globo, o capitão interpretado por Bolsonaro aparece na vila dando ordens para os demais personagens. Em determinado momento da paródia, o personagem de Bolsonaro diz que a Chiquinha chorar é normal, pois o pai dela deu uma fraquejada.

A referência é o fato de Bolsonaro ter dito que teve quatro filhos homens (Flávio, Eduardo, Carlos e Renan) e no quinto deu uma "fraquejada" e nasceu uma mulher.

Publicidade

À época, a frase do atual presidente foi bastante criticada e ele foi acusado de machismo.

Na sequência da fala, Bolsonaro diz que Chaves não pode chorar porque é homem. Em outro momento, o Bolsonaro fictício chama o Professor Girafales e o Seu Madruga de vagabundos. O segundo porque está desempregado, o primeiro porque acusa-o de pregar ideologia de gênero e difundir o "kit-gay".

O Bolsonaro fictício de Adnet, vestido com roupa de capitão do Exército, ainda diz que vai até a vila de Paulo Gustavo, ator e humorista homossexual, para acabar com o que chama de ditadura “gayzista”.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Televisão

As críticas ao governo Bolsonaro não param por aí. O personagem diz que vai demitir a plateia que está rindo dele, mas em seguida volta atrás. O presidente tem sido acusado pelos seus opositores de voltar atrás em algumas de suas decisões.

O personagem também pergunta de seu motorista, que foi emprestado por seu filho, em uma clara referência a Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, filho de Jair, que teve movimentações financeiras atípicas em sua conta bancária.

Bolsonaro x Globo

Ao exibir a paródia que tira sarro de Bolsonaro, a Globo mostra alguma resistência em relação às críticas que vem recebendo do presidente. Bolsonaro falou que quer acabar com o Bônus sobre Valor Investido (BV) que é pago à Globo pelas empresas de publicidade.

Graças ao BV, a Globo fica com boa parte do mercado publicitário, mesmo quando sua audiência cai.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo